Publicidade
Nova recepção com mais espaço - OdontoCompany João Pinheiro
Publicidade
InícioCidadeCODEBRAS consegue suspender decisão da justiça que determinava fim da ocupação em...

CODEBRAS consegue suspender decisão da justiça que determinava fim da ocupação em Brasilândia de Minas

TJMG atribuiu efeito suspensivo ao recurso e determinou a realização de audiência de justificação

Publicado em

A ocupação da Fazenda Brejão, em Brasilândia de Minas, vai continuar. A CODEBRAS, associação responsável pela invasão das terras, conseguiu, via recurso, que o Tribunal de Justiça de Minas Gerais suspendesse a decisão liminar da Vara Agrária que determinava a saída dos ocupantes da propriedade rural. Uma audiência deverá acontecer em breve.

Publicidade
Sicredi - Unidade inaugurada em João Pinheiro

No Agravo de Instrumento interposto, o Conselho de Desenvolvimento de Brasilândia de Minas alegou que a ocupação já conta com mais de 170 famílias assentadas, já com mapa de divisão de lotes e reserva legal e, ainda, ressaltou que a Prefeitura Municipal de Brasilândia de Minas emitiu declaração atestando a improdutividade da fazenda.

Além disso, a CODEBRAS se pautou no parecer do Ministério Público, que sugeriu à justiça que fosse realizada inspeção no local ou audiência de justificação, providências estas que não foram determinadas pela Vara Agrária, que optou por determinar a saída dos invasores da fazenda.

Publicidade
Pop Pet Center em João Pinheiro

Assim, o Desembargador Ferrara Marcolino, relator do recurso, concedeu a liminar e suspendeu a decisão de primeira instância que determinava a saída dos ocupantes, concedendo a eles o direito de permanecer na fazenda, pelo menos, até o julgamento final do agravo de instrumento.

Uma audiência de justificação será realizada para que a Vallourec possa contrapor os argumentos apresentados pela CODEBRAS e, eventualmente, conseguir a reintegração de posse mais uma vez. O JP Agora continuará acompanhando o caso.

Publicidade
Raimundo Contabilidade em João Pinheiro

Comentários


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


Publicidade
6 Comentários
Mais votados
Mais recente Mais antigos
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
a
9 meses atrás

Bando de bandido filho da (removido). Vão trabalhar bando de vagabundo.

Zé Trovão
9 meses atrás
Resposta para  a

Este Deve estar querendo um pedacinho, ou deve ser dono ou Sócio da empresa.

Apólo
9 meses atrás

Raça de pilantra tal sem terra. Tinha q cortar tudo na borracha.
Trabalhar ninguém quer.

Zé Trovão
9 meses atrás
Resposta para  Apólo

Esse deve ser empregado que estar comedo, de perder o emprego, se tivesse oportunidade queria um pedacinho de terra.
No seu próximo comentário aqui, não chama o trabalhador de sem terra, chama-o agricultor familiar, que coloca alimentos saudáveis na sua mesa, a não ser que ama
comer eucalipto.

Alzira
9 meses atrás
Resposta para  Zé Trovão

Não entendo como um pobre fica ao lado de milionários de outro país, pessoas que ele nem conhece…e contra trabalhadores rurais….cabecinha

Alzira
9 meses atrás
Resposta para  Apólo

A terra Deus deu para todos…tem que acabar com cartel de colarinho branco e dar a terra para os trabalhadores sim, plantar: arroz, feijão, milho, melancia, arroz, abobora, quiabo, pokan, tangerina, limão, figo, uva e rtc… Criar gado para vender o leite e derivados para encher os buchos da galera. Afinal o que se come e bebe …vem da terra, do suor dos trabalhadores…o leite não nasce na caixinha e nem o feijão dentro do saquinho. Toda terra de milionários que não tem um pé de banana…tem que pegar e dar para o trabalhor sim… Agora, se a terra do… Leia mais »

Publicidade

mais artigos