Publicidade
Anúncio: J3 Ar Condicionado em João Pinheiro - Manutenção, Higienização e Instalação de Ar de todas as marcas
Publicidade
InícioMinas GeraisNúmero de bebês sem o nome do pai cresce em Minas Gerais...

Número de bebês sem o nome do pai cresce em Minas Gerais durante a pandemia

Ausência no nome do pai compromete a garantia de direitos das crianças; Defensoria Pública realiza mutirões e disponibiliza exames de DNA

Publicado em

O número de crianças nascidas sem o nome do pai aumentou  durante a pandemia em Minas Gerais. De acordo com dados da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil), o número de nascimentos no estado diminuiu nos últimos anos, mas o índice de bebês com os pais ausentes cresceu durante o período de crise sanitária. O estudo apontou aumento na porcentagem de registros com pais ausentes, comparado aos registros totais.

Publicidade
WN Telecom - 600 megas promoção

Segundo os dados, em 2019, período pré-pandemia, foram 257.322 nascimentos em todo o estado. Destes, 12.068 não tiveram o nome do pai na certidão de nascimento. O índice de bebês sem o nome do pai foi de 4,68%. Neste ano, 123.755 crianças nasceram em Minas Gerais, sendo 5991 sem o nome do pai. O índice de recém-nascidos sem o registro paterno é de 4,84%.

De acordo com a defensora pública Michelle Mascarenhas, a pandemia agravou a situação. Ela acredita que o momento de crise provocado pela pandemia, que resultou no aumento do desemprego e no preço dos produtos, pode ter colaborado para o aumento dos números. Diante das dificuldades financeiras, os pais podem ter se ausentado de mais obrigações. Outro motivo pode ter sido o divórcio. A defensora relata que vários pessoas procuraram a Defensoria Pública durante os últimos dois anos de pandemia em busca do processo. “Muitas crianças podem ter nascidas já com os pais separados”, pontua.

Publicidade
Pop Pet Center em João Pinheiro

Os números preocupam a defensora pública. Mascarenhas alerta que o nome do pai no registro das crianças é necessário para garantia de direitos hereditários, alimentação e até mesmo a concivência familiar. “É uma sensação de que a criança tem de pertencimento. E isso é bom também para o pai”, conta Michelle Mascarenhas.

Anualmente, a Defensoria Pública realiza o mutirão  ‘Direito a Ter Pai’. A iniciativa tem como objetivo o direito à paternidade, além de fomentar a estruturação da família, principal referência na formação de vínculos de afetividade, sociabilidade e identidade das crianças. O Mutirão já realizou quase 60 mil atendimentos, desde sua primeira edição, em 2011. A Defensoria também disponibiliza exames de DNA durante todo o ano. Os pais podem comparecer as unidades Defensoria Pública de todo o estado e, diante da necessidade do exame, é feito o agendamento no laboratório mais próxima a casa dos solicitantes. 

Publicidade

Comentários


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


Publicidade
2 Comentários
Mais votados
Mais recente Mais antigos
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Valter
1 mês atrás

Ausência do nome do pai pede a mãe solteira de ganhar pensão

Carlota
1 mês atrás

É muito triste como muitos homens fogem de suas responsabilidades, eu com quase trinta anos que estou conhecendo meu pai e vou colocar o nome no registro, imagina quantas crianças crescem sem pai, eu por experiência própria posso dizer que faz falta sim, uma mãe solteira esgotada e sobrecarregada.

Publicidade

mais artigos