Zema tem três dias para sancionar ajuda de R$ 600 às famílias em extrema pobreza de Minas Gerais

Prazo para análise governamental do Recomeça Minas está no fim; detalhes sobre incentivos fiscais emperram sanção, mas auxílio a vulneráveis está garantido

Aprovado no fim de abril pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), o pacote Recomeça Minas, que estabelece condições para que empresas possam renegociar dívidas fiscais com o Estado, ainda não foi sancionado pelo governador Romeu Zema (Novo). O prazo para o poder Executivo analisar o texto vence nesta sexta-feira (21/5). O auxílio de R$ 600 às famílias em extrema pobreza, presente na proposta dos deputados estaduais, será acolhido e regulamentado.

O Recomeça Minas foi votado em segundo turno no dia 30 do mês passado. Depois, seguiu para sanção governamental. Zema, então, passou a ter 15 dias úteis para analisar o texto, podendo acatá-lo na íntegra, vetar totalmente ou sugerir o descarte de trechos específicos.

O dispositivo que cria bolsa única de R$ 600, contudo, não deve ser mudado. “Sobre o auxílio, não há a menor possibilidade de veto. Tudo tranquilo, combinado e conversado entre Assembleia e governo”, garante, ao Jornal Estado de Minas, o líder do governo na Assembleia, Gustavo Valadares (PSDB).

Publicidade
Farmacia Pinheirense 970x250 1

A três dias da data-limite, o Palácio Tiradentes se debruça sobre incentivos fiscais que precisam de aval do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). A expectativa do governo é obter respostas sobre os empecilhos por volta desta quarta (19), destravando o tema.

Uma das saídas estudadas pelo poder Executivo é resolver os impasses já na regulamentação da lei. Se não for possível, Romeu Zema pode propor, aos parlamentares, algumas alterações.

A ajuda de R$ 600 será concedida às famílias cujos integrantes têm renda per capita de, no máximo, R$ 89. Os deputados querem que todos os núcleos contemplados pelo programa recebam a parcela única a que têm direito até agosto.

Pacote prevê redução de tributos

No Recomeça Minas, a redução de tributos é um dos mecanismos pensados para aliviar as finanças. Por isso, o projeto estipula descontos no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Segundo as diretrizes originais da proposta, o abatimento sobre multas e juros para o pagamento à vista do ICMS pode chegar a 95%. Se houver parcelamento, a diminuição varia entre 40% e 90%.

A ALMG estima que a regularização de dívidas renda R$ 2 bilhões neste ano. Para os próximos três anos, mais R$ 5 bilhões.

Os recursos obtidos vão ser repassados aos setores econômicos prejudicados pela pandemia de COVID-19.

No que se refere ao Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), os encargos são abatidos totalmente em caso de quitação à vista – e caem pela metade se houver parcelamento.

Setores que não pagam impostos estaduais serão atingidos por meio de descontos em tarifas de água e energia.

Linhas de crédito especiais fornecidas pelo Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) também estão no escopo do pacote de socorro, bem como incentivos especiais a setores especialmente afetados pela pandemia – para empresas do setor de entretenimento, está prevista a redução da carga tributária relativa ao ICMS incidente no fornecimento de energia elétrica.

Oposição pede agilidade

O Recomeça Minas, cujo primeiro signatário foi o presidente da Assembleia, Agostinho Patrus (PV), teve apoio massivo dos deputados estaduais mineiros.

Antes das votações em plenário, o Legislativo promoveu ciclo de debates regionais para ouvir, de empresários e entidades de classes, sugestões que pudessem aperfeiçoar o documento.

O líder da oposição a Zema, André Quintão (PT), cobra agilidade na sanção: “A pandemia exige urgência na tomada de decisão. O projeto foi previamente discutido com o governo. Não só o auxílio emergencial, mas também as outras questões”.

O petista crê que as medidas de suporte econômico vão dar fôlego à população mineira: “É estranho o fato de o governo demorar para sancionar o projeto. Primeiro, pela urgência que a recuperação econômica e social exige. Estamos vivendo uma situação drástica, de necessidade de apoio às pequenas e médias empresas e a fome batendo à porta das pessoas”.

Procurado pela reportagem, o governo mineiro recorreu ao prazo legal para a análise do pacote aprovado pelos parlamentares. “O governador tem o prazo de 15 dias úteis para analisar o Projeto de Lei (PL) a partir do recebimento do mesmo, nesse caso, em 30 de abril”, lê-se em comunicado remetido ao EM.

Paternidade de auxílio abriu crise entre Poderes

A aprovação do Recomeça Minas foi marcada por embates entre o Palácio Tiradentes e a Assembleia. Um dia antes do auxílio aos vulneráveis ser aprovado, o governador foi às redes sociais anunciar a iniciativa.

A postura irritou alguns deputados, que interpretaram o ato como uma tentativa de Zema de se apropriar da pauta e divulgar a aprovação antes mesmo da votação em 2° turno. No fim das contas, uma emenda aumentou em R$ 100 o valor da bolsa – a ideia inicial era pagar R$ 500.

Agostinho Patrus chegou a criticar publicamente a condução do caso por parte de Zema. Depois, o governador se desculpou com os parlamentares por causa do imbróglio.

2 COMENTÁRIOS


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


2 Comentários
Mais votados
Mais recente Mais antigos
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Roseli dias de oliveira
6 meses atrás

Eu presciso do auxílio emergecial

Roseli dias de oliveira
6 meses atrás

Eu preciso

Artigos relacionados

data-matched-content-ui-type="image_card_stacked"

Últimas Notícias