Funcionários de carvoaria são resgatados em situação análoga à escravidão em Minas Gerais

O local não possui água tratada, equipamentos de proteção individual (EPIs) e instalações sanitárias

Seis trabalhadores foram resgatados em situação análoga à escravidão em uma carvoaria na cidade de Lassance, no Norte de Minas. De acordo com o Ministério do Trabalho, eles atuavam com a produção de carvão vegetal oriundo da extração de eucalipto. Auditores fiscais do trabalho encontraram o grupo durante uma fiscalização.

Segundo o Ministério do Trabalho, durante a operação de resgate, também foi constatado que nove empregados trabalhavam de maneira informal, sendo seis em ‘condições desumanas’, além da carvoaria não possuir instalação sanitária nas frentes de trabalho. Os funcionários improvisavam ambientes para banho e defecavam em um matagal.

Ao longo da fiscalização, as equipes do Ministério do Trabalho verificaram que os alojamentos estavam em condições precárias, sem higiene, segurança e conforto.

Na carvoaria, não havia o recebimento de equipamentos de proteção individual (EPIs), necessários para a fabricação do produto. O local não possui água tratada adequada para o consumo e para o preparo dos alimentos.

Um adolescente, de 17 anos, foi encontrado pelos auditores fiscais em outra carvoaria no município, o que configura trabalho infantil.

Após ter sido notificado pela fiscalização, o empregador fez o pagamento das verbas rescisórias e salários atrasados no valor de pouco mais de R$ 39 mil. Outros R$ 8,3 mil por danos morais individuais serão divididos entre os trabalhadores resgatados, depois de um ajuste de conduta acordado entre a Defensoria da União, o Ministério Público do Trabalho e o empregador.

A operação contou com o apoio da Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e o Ministério Público Federal (MPF) do Norte de Minas.

Funcionários de carvoaria são resgatados em situação análoga à escravidão em Minas Gerais

4 COMENTÁRIOS


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


4 Comentários
Mais votados
Mais recente Mais antigos
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Marlim
15 dias atrás

Se tão lá é por precisão.
Até tv a cabo internet, energia tem. Deixa quem precisa trabalhar, procurar jeito de prender bandido não vão nem

Última edição 15 dias atrás by Marlim
Sofredor
15 dias atrás

João Pinheiro tem muitas ainda tbm .

Zangbêto
15 dias atrás

Ja trabalhei muitos anos assim a tempos atraz pra gente era mornal

Washington
15 dias atrás

Onde fica estes leilões tem moto,ou,só carro

Artigos relacionados

Últimas Notícias