Publicidade
Tratamento com as melhores condições - OdontoCompany João Pinheiro
Publicidade
InícioCidadeGasolina sobe pela 4ª semana seguida e já passa de R$ 5,60 em...

Gasolina sobe pela 4ª semana seguida e já passa de R$ 5,60 em MG; em João Pinheiro preço médio é de R$ 5,01

Preço médio da gasolina apurado pela ANP acumula alta de 2,4%

Publicado em

O preço da gasolina subiu nos postos de abastecimento de todo o país pela quarta semana seguida, aponta levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) divulgado nessa segunda-feira (7). O aumento vem apesar de a Petrobras manter o preço do combustível congelado há 66 dias.

Publicidade
WN Telecom - Publicidade

O monitoramento da ANP aponta que, em Minas Gerais, o litro da gasolina é encontrado até R$ 5,67. Já o menor valor é de R$ 4,55. O preço médio ficou em R$ 4,87. Em João Pinheiro o maior valor encontrado foi R$ 5,20 e o menor R$ 4,89.

Na semana de 30 de outubro a 5 de novembro, a gasolina teve alta de 1,4%, chegando a um preço médio de R$ 4,98 por litro, ante R$ 4,91 da semana anterior.

Publicidade
Life Center João Pinheiro

Considerando o período de quatro semanas, o preço médio da gasolina apurado pela ANP acumula alta de 2,4%.

Eleições

O novo aumento reforça a tendência de alta no preços dos combustíveis aos consumidores, que vem desde meados do segundo turno, quando o governo pressionava a Petrobras para não reajustar os preços praticados em suas refinarias, mas não teve meios de conter os reajustes de agentes privados, como a refinaria de Mataripe (BA), da Acelen, empresa controlada pelo fundo Mubadala. A gasolina subiu 2,42% na Bahia, o estado mais atendido pela Acelen.

Publicidade

A recente escalada da gasolina também se deve, segundo especialistas, a aumentos no preço do etanol anidro, que responde por 27% da mistura da gasolina comum além de aumentos realizados por importadores e revendedores.

Os bloqueios de rodovias por bolsonaristas que protestavam contra o resultado das eleições na semana passada também contribuem para a alta do combustível.

Publicidade

Desagregando o aumento por estados, o maior aumento aconteceu no Paraná, 5,65%; seguido do Distrito Federal, 4,36% e Rio Grande do Sul, 3,83%, justamente estados afetados pelo bloqueio. Em Santa Catarina e São Paulo, estados onde também houve fechamento de estradas, a gasolina subiu 0,83% na semana passada.

Com o mercado internacional pressionado e os preços da Petrobras abaixo da paridade de importação, a estatal não tem espaço técnico para novas reduções nas refinarias. Ao contrário, dizem especialistas, a petroleira segue pressionada a reajustar seus preços, o que reforçaria a alta nas bombas.

Publicidade

Desde o pico histórico de R$ 7,39, registrado na penúltima semana de junho, a gasolina chegou a recuar 35% até a semana encerrada em 8 de outubro. Mas, sem novos descontos nos preços da Petrobras nas últimas semanas, o preço do insumo voltou a subir nos postos brasileiros.

Diesel

Já o preço do litro do diesel S10 voltou a subir, desta vez 0,4% para R$ 6,71, entre os dias 30 de outubro e 5 de novembro. Na semana anterior, esse preço tinha caído 0,6% e têm oscilado desde meados de outubro. Até o dia 15 daquele mês, o diesel caiu por 16 semanas seguidas, puxado pelas reduções nas refinarias da Petrobras.

Publicidade

Com o aumento das cotações internacionais, a estatal também não tem reajustado o diesel a fim de acompanhar o preço de paridade internacional (PPI), conforme prevê a sua política de preços. Assim, os preços se estabilizaram e têm experimentado altas pontuais ao consumidor ligadas a reajustes praticados por refinarias privadas e importadores, que respondem por volume entre 25% e 35% do insumo consumido no país.

Desde o rebaixamento do teto de 17% no ICMS sobre combustíveis, em 24 de junho, o diesel S10 chegou a ser reajustado para baixo nas refinarias da Petrobras em três ocasiões. Antes de voltar a subir, o preço médio do litro do insumo chegou a cair 13,4% em três meses e meio, variando de R$ 7,68 no início do ciclo para até R$ 6,65 na semana entre 9 e 15 de outubro.

Publicidade

GLP

Já o Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) de 13 quilos, ou gás de cozinha, ficou estável na revenda, com média de preço de R$ 109 86 por botijão. Esses preços também têm flutuado nas últimas semanas, devido ao fim dos efeitos no preço final das reduções da Petrobras em refinarias antes da eleição.

Comentários


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


Publicidade
3 Comentários
Mais votados
Mais recente Mais antigos
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Filhos da Anarquia
20 dias atrás

Faz o L

Paulo Vilaça
20 dias atrás
Resposta para  Filhos da Anarquia

Pq vc não fez arminha enquanto estava alto? Todo mundo sabe que estava baixo para tentar arrebanhar mais gados e te tar ganhar a eleição mas se fu………..

De olho
19 dias atrás
Resposta para  Filhos da Anarquia

Acorda, cara! Saia do transe!

Os preços “baixos” eram completamente artificiais! E até VC sabia disso!

Chega de história! Leva a vida para a frente.

mais artigos