Publicidade
Chegou seu momento - Faculdade Cidade de João Pinheiro
Publicidade
InícioDestaqueHomem que matou a ex e mais três pessoas dentro de igreja...

Homem que matou a ex e mais três pessoas dentro de igreja em Paracatu é condenado a mais de 50 anos de prisão

Crime que chocou o país foi julgado na capital mineira

Publicado em

Rudson Aragão Guimarães, que matou a ex-namorada, invadiu uma igreja e atirou contra três pessoas em Paracatu, no Noroeste de Minas, foi condenado a 54 anos e 8 meses de prisão em regime fechado. A condenação ocorreu nesta segunda-feira (5) em júri realizado no Fórum Lafayette, em Belo Horizonte.

Publicidade
WN Telecom - Publicidade

De acordo com a sentença da juíza Fabiana Cardoso Gomes Ferreira, o júri considerou Rudson culpado pelo crime de feminicídio qualificado da ex-companheira e pelos homicídios qualificados das demais vítimas.

“A culpabilidade, enquanto juízo de reprovação da conduta imputada foi exacerbada, considerando que a vítima foi atingida com golpes de canivete, durante um encontro religioso na residência da irmã do denunciado, na presença da genitora e irmã do sentenciado e, ainda, na presença de uma criança, seu sobrinho, revelando extrema agressividade e frieza na prática do crime”, afirmou a juíza.

Publicidade
Pop Pet Center em João Pinheiro

Entre as testemunhas ouvidas estava o pastor que o autor tentou atingir, que também é filho de umas das vítimas.

Em nota, o advogado de defesa, Rodolfo Ramos Caldeira, afirmou que está satisfeito com o resultado do júri porque entendeu que o Rudson “teve um julgamento justo”.

Publicidade
Raimundo Contabilidade em João Pinheiro

Suspensões

O julgamento chegou a ser marcado para ocorrer em 2021, porém, o advogado do acusado interpôs recurso com o pedido de liminar, solicitando o desaforamento do julgamento.

A defesa alegou que existia dúvida sobre a imparcialidade do júri, pelo crime ter adquirido grande notoriedade em toda região. Assim, o júri foi remarcado, sendo realizado em Belo Horizonte.

Publicidade

Relembre o caso

A delegada responsável pelas investigações da época, Thays Regina Silva, deu detalhes sobre a conclusão do inquérito e explicou o que teria motivado Rudson a matar a ex-namorada Heloisa Vieira Andrade, de 59 anos e mais três fiéis da igreja.

De acordo com as investigações, Rudson havia sido afastado da liderança da célula de oração da igreja e excluído de um grupo de WhatsApp da igreja, devido mal comportamento. Isso teria despertado a ira dele. Heloisa também teria sido afastada da liderança da célula, devido à situação do relacionamento dos dois, mas ela participava das intercessões da igreja. Contudo, Rudson não quis mais participar dos trabalhos da igreja, após ter sido afastado da direção da célula e ter sido excluído do grupo do WhatsApp.

Publicidade

Segundo Thays, Rudson teria premeditado o crime, uma vez que chegou a distribuir bens particulares para alguns familiares, dizendo que iria embora, chegando demostrar um comportamento estranho. Rudson ao saber que a ex-namorada estava na casa de sua irmã, pegou um canivete e se deslocou até a casa da dela. Ao chegar na residência, Rudson não cumprimentou a ex-namorada, e disse que a mataria, desferindo um golpe no pescoço de Heloísa, que chegou a ser socorrida, mas acabou morrendo.

Após esfaquear a ex-namorada, Rudson tentou fugir no carro da irmã, que sempre ficava com a chave na ignição, mas naquele dia, a chave não estava no veículo e Rudson questionou a irmã sobre a chave do veículo. Transtornado, Rudson deslocou até sua casa, pegou a arma de fogo e seguiu para a igreja Batista Shalom, onde arrancou a grande de proteção e invadiu a igreja em busca de matar o pastor Evandro.

Publicidade

De acordo com Thays, Rudson invadiu o templo procurando matar o pastor Evandro, porém o pastor havia conseguindo sair da igreja a tempo. Rudson muito irado, atirou no pai do pastor, Antônio Rama e em mais duas fiéis, Rosangela Albernaz e Marilene Martins de Melo Neves. A terceira vítima, chegou a ser refém de Rudson quando a polícia chegou na igreja e mesmo com o diálogo dos militares, o criminosos se recusou a soltar a vítima, atirando contra a cabeça dela.

As investigações ainda apuraram que Rudson teria trocado com um vizinho um Arco flecha na garrucha calibre 36, utilizada na chacina. Na época do crime, policiais civis cumpriram mandados de busca e apreensão em diversas residências. Em uma delas, foi encontrada grande quantidade de armas e munições de calibres restritos e irrestritos. O homem flagrado com o material confessou à Polícia que teria vendido a arma do crime para Rudson.

Publicidade

Rudson se for condenado, vai responder por quatro homicídios com duas qualificadoras, sendo motivo torpe e sem possibilidade de defesa das vítimas e também por uma tentativa de homicídio contra o pastor Evandro Rama. Rudson não demonstrou arrependimento do crime e nem deu maiores detalhes, contou a delegada.

Após cometer o crime, Rudson tentou ainda contra a própria vida dentro do hospital municipal de Paracatu. Rudson, não ficou preso no presidio de Paracatu, pelo risco de ser morto por outros presos e ficou rodando de presídios em presídios, sendo transferido na época para penitenciaria do complexo Penitenciário em Carmo do Paranaíba, no Alto Paranaíba e depois para a Penitenciária de Patrocínio, no dia 19 de Julho de 2019.

Publicidade
FonteG1

Comentários


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


Publicidade
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários

mais artigos