Publicidade
Chegou seu momento - Faculdade Cidade de João Pinheiro
Publicidade
InícioCidadeMP ajuíza ação para declarar ilegalidade de leis que aumentaram salários da...

MP ajuíza ação para declarar ilegalidade de leis que aumentaram salários da classe política de João Pinheiro

Ação judicial é diferente daquela anteriormente ajuizada pelo pinheirense Márlon Marques Melgaço; entenda

Publicado em

O Ministério Público de Minas Gerais, através do Procurador de Justiça Jarbas Soares Júnior, ajuizou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade contra duas leis do Município de João Pinheiro que aumentaram sobremaneira os salários dos vereadores, prefeito, vice e secretários. O novo pleito judicial, distribuído no dia 05 de setembro, é diferente daquele ajuizado pelo pinheirense Márlon Marques Melgaço e pode, definitivamente, abaixar o salário de todos os políticos de João Pinheiro. Entenda.

Publicidade
WN Telecom - Publicidade

De forma breve, a Ação Direta de Inconstitucionalidade é o remédio processual mais adequado para combater as duas leis, publicadas em 2020, que aumentaram os salários de todos os políticos pinheirenses. Tanto é verdade que a pretensão proposta pelo advogado Márlon Marques Melgaço foi afastada justamente porque o Tribunal de Justiça de Minas Gerais julgou necessário o controle de constitucionalidade das referidas normas, o que não poderia acontecer no âmbito da ação popular ajuizada pelo pinheirense.

Assim, a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) visa, justamente, a declaração de inconstitucionalidade da Lei n.° 2.535/2020 e da Lei n.º 2.536/2020. Para tanto, os fundamentos apresentados pelo MPMG são, basicamente, os mesmos daqueles que conseguiram reduzir o salário de toda a classe política de João Pinheiro. O que muda, portanto, é que o Ministério Público tem legitimidade para requerer a declaração de inconstitucionalidade, diferentemente do pinheirense Márlon Marques Melgaço.

Publicidade
Life Center João Pinheiro

Princípio constitucional da anterioridade não obedecido

Na inicial da ADI, o Procurador de Justiça destacou que a aprovação das duas leis não obedeceu o princípio da anterioridade, que proíbe a correção do salário para a mesma legislatura, o que acarretou a desobediência de outros princípios constitucionais, como o da moralidade.

“Analisando as normas objurgadas, percebe-se que foram aprovadas e promulgadas após as eleições municipais ocorridas em outubro de 2020, depois de já conhecidos os candidatos eleitos, em afronta ao princípio da anterioridade previsto no inciso V do artigo 29 da Constituição da República, com a redação que lhe foi dada pela EC n.º 01/1992, assim como, atualmente, no inciso VI do mesmo dispositivo constitucional, com a redação dada pela EC n.º 25/2000, e no artigo 179 da Constituição do Estado de Minas Gerais, bem como aos princípios da Administração Pública, especialmente o da moralidade, previstos no art. 37, caput, da Constituição Federal e no art. 13 da Constituição Estadual.”

Publicidade
Raimundo Contabilidade em João Pinheiro

O JP Agora teve acesso à inicial da ADI e pode garantir a toda população pinheirense que o pedido foi muito bem instruído, com destaques a vários entendimentos jurisprudenciais favoráveis à declaração de inconstitucionalidade das referidas leis pelos mesmos argumentos apresentados naquela oportunidade.

“Em processos análogos à espécie vertente, têm-se, verbi gratia, outras seguintes decisões monocráticas: Recurso Extraordinário n. 1.241.262, Relator o Ministro Ricardo Lewandowski, DJe 22.6.2020; Recurso Extraordinário n. 1.257.788, Relatora a Ministra Cármen Lúcia, DJe 5.8.2020; Recurso Extraordinário n. 1.259.509, Relator o Ministro Alexandre de Moraes, DJe 15.5.2020; Recurso Extraordinário n. 1.254.244, Relator o Ministro Marco Aurélio, DJe 6.4.2020; Recurso Extraordinário n. 729.732, Relator o Ministro Edson Fachin, DJe 29.1.2021; e Recurso Extraordinário n. 1.341.051, Relator o Ministro Ricardo Lewandowski, DJe 29.9.2021.”

Publicidade

Assim, o MPMG finalizou pontuando que não restam “dúvidas de que o art. 7° da Lei n.° 2.535/2020 e o art. 5° da Lei n.º 2.536/2020, ambas do município de João Pinheiro, por si sós, estão eivados de inconstitucionalidade, em flagrante afronta ao inciso VI, do art. 29, e ao art. 37, caput, da Constituição Federal e aos arts. 13, 166, VI, e 179, da Constituição do Estado de Minas Gerais.”

O JP Agora seguirá acompanhando o andamento do processo e trará novidades assim que surgirem.

Publicidade

Comentários


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


Publicidade
5 Comentários
Mais votados
Mais recente Mais antigos
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Galo Doído
1 mês atrás

Deveriam ser e caçado e presos esses políticos que fazem leis em prol de si mesmo. Cambada de vagabundos.

Cabo Martins
1 mês atrás

ATENÇÃO PINHEIRENSE. SENDO QUE NO DIA 10/12/2020 DIRETO NO ORGÃO DO MPMG E NO DIA 14/12/2020 POR VOLTA DAS 12:35 HS, FOI PROTOCOLADO UMA MANIFESTAÇÃO PUBLICA NUMERO 459999122020-0, NO QUAL VERSARVA SOBRE OS SALARIOS DOS NOBRES VEREADORRES E PREFEITO E SECRETARIOS MUNICIPAIS DE JOÃO PINHEIRO MG. SENDO A REPRESENTAÇÃO APRESENTADA PELO MORADOR DE JOÃO PINHEIRO CABO MARTINS, SENDO QUE NO DIA 18/12/2020 18:37: CONFORME SITE DO MINISTERIO PUBLICO ESTADUAL CONFORME LINK https://aplicacao.mpmg.mp.br/ouvidoria/service/cidadao/consulta “A presente manifestação foi juntada ao Procedimento Administrativo de Controle da Constitucionalidade n.º MPMG-0024-20.014482-2 que versa sobre a Lei nº 2.535/2020, que “Fixa o subsídio dos vereadores da… Leia mais »

Publicidade
Sônia
1 mês atrás

Afffff mais essa vergonha teremos que passar por ter votado neles! Como me arrependo 🙄🤔

Calango azul
1 mês atrás

Lei não tem q ser provada não, ela tá ali pra ser cumprida, se eles tem o direito e ganhou deixa receber, o dinheiro deles vai tudo pro povo mesmo, pagando remédio, consulta, os cara nao pode sair com a família pra um barzinho q sempre tem um pra pedir pra pagar cerveja, conta de agua e luz, convivi com um vereador e ja vi gente chegar na casa dele 00:00 pedindo pra comprar remédio, e de bao fizer essas coisas aí da sai falando q não p vereador ou qualquer político o não presta, o povo extorque is políticos,… Leia mais »

Publicidade
Anônimo
1 mês atrás

Fique tranquilo o Heli corrêa falando comigo hoje que não vai abaixar, pois como os vereadores vai viver com salário. agora os secretários e prefeito eu acho certo abaixar o salarios

mais artigos