Pesquisa detalha a presença substâncias cancerígenas acima do limite permitido na água de João Pinheiro

Cádmio, Antimônio e Mercúrio foram as substâncias acima do limite permitido encontradas na água de João Pinheiro entre os anos de 2018 e 2020

Todos nós bebemos pequenas doses diárias de substâncias químicas e radioativas. São agrotóxicos e outros resíduos da indústria que se misturam aos rios e represas. Alguns especialistas defendem que não há risco se elas estiverem dentro do limite regulamentado. Outros argumentam que as doses aceitas no Brasil são permissivas, pois são bem mais altas que as da União Europeia.

Apesar de toda a discussão que envolve o assunto, não há dúvida que essas substâncias são prejudiciais à saúde quando estão acima do limite permitido e o consumo diário aumenta o risco de câncer, mutações genéticas, problemas hormonais, nos rins, fígado e no sistema nervoso – a depender do produto.

Dados inéditos levantados pela Repórter Brasil mostram que são esses os riscos oferecidos pela água que saiu da torneira de 763 cidades entre 2018 e 2020. Substâncias químicas e radioativas foram encontradas acima do limite em 1 de cada 4 municípios que fizeram os testes. Entre eles está João Pinheiro. Confira os detalhes a seguir.

As informações foram extraídas no site Mapa da Água, que destaca quais substâncias extrapolaram o limite. O site explica, ainda, os riscos de cada elemento encontrado, os quais, em sua maioria, não podem ser removidos por filtros ou fervendo a água. Os resultados dos testes feitos por empresas ou órgãos de abastecimento foram enviados ao Sisagua (Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para Consumo Humano, do Ministério da Saúde.

“Se há substância acima do valor máximo permitido, podemos dizer que a água está contaminada”, afirma Fábio Kummrow, professor de toxicologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). “Uma outra forma de dizer é que essa água não está própria para consumo, como quando um alimento passa da data de validade”. Contaminada ou imprópria, Kummrow confirma que existe risco para quem bebe a água, e ele varia de acordo com a substância e com o número de vezes que ela foi consumida ao longo do tempo.

Cádmio, Antimônio e Mercúrio

Em João Pinheiro, os testes realizados entre 2018 e 2020 detectaram Cádmio, Antimônio e Mercúrio acima do limite de segurança permitido. O site Mapa da Água destaca que quando estas substâncias estão acima do limite, a água é considerada imprópria para o consumo. Neste caso, as instituições de abastecimento, no caso de João Pinheiro, a COPASA, deveria informar a população sobre o problema, assim como sobre as medidas tomadas para resolvê-lo.

Apesar disso, o JP Agora não encontrou registros de informações da COPASA a respeito da presença acima do limite das substâncias listadas pelo Mapa da Água em João Pinheiro. Confira, a seguir, um breve resumo sobre as três substâncias acima do limite encontradas na água pinheirense.

Cádmio (Substâncias Inorgânicas)

O cádmio e seus compostos são classificados como cancerígenos para o ser humano (grupo 1) pela Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC), órgão da Organização Mundial da Saúde. Como base para essa classificação, estão evidências de tumores pulmonares em trabalhadores e animais que inalaram a substância. Os principais efeitos da exposição prolongada são doença pulmonar crônica obstrutiva e enfisema, além de distúrbio crônico dos túbulos renais. Essa é uma substância utilizada pela indústria: o metal cádmio é usado como anticorrosivo em aço galvanizado, o sulfeto de cádmio e selenito como pigmentos em plásticos e os compostos de cádmio na manufatura de pilhas, baterias, componentes eletrônicos e reatores nucleares.

Antimônio (Substâncias Inorgânicas)

O trióxido de antimônio é classificado como possivelmente cancerígeno para o ser humano pela Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC), órgão da Organização Mundial da Saúde. Os sais solúveis de antimônio, após serem ingeridos, exercem forte efeito irritante na mucosa gástrica e provocam vômito, além de cólica, diarreia e toxicidade cardíaca. Os compostos de antimônio são usados na indústria têxtil, e fabricação de plástico, adesivo, tinta, papel e borracha. Também são usados em explosivos e pigmentos. O antimônio forma ligas com outros metais, que são utilizadas em chapas de solda, tubulações, rolamentos, armas. O sulfeto de antimônio é usado em fósforos. Outros compostos são usados para induzir o vômito em casos de intoxicação, para tratamento de leishmaniose e em produtos veterinários

Mercúrio (Substâncias Inorgânicas)

O cloreto de mercúrio é classificado como possivelmente cancerígeno pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos, devido ao aparecimento de tumores de estômago, na tireoide e renais em animais. Além disso, a exposição prolongada ao mercúrio afeta os rins e pode alterar o tecido testicular, aumentar as taxas de reabsorção e gerar anomalias no desenvolvimento. Os compostos inorgânicos de mercúrio são utilizados em alguns processos industriais e na produção de outras substâncias químicas. Também são usados em rituais e para fins medicinais. O metilmercúrio, um dos compostos de mercúrio orgânico frequentemente usado em garimpos para extração de ouro, é o mais tóxico e apresenta danos principalmente ao sistema nervoso e pode causar até a morte.

Os testes também encontraram substâncias dentro do limite de segurança, são eles:

  • Atividade alfa total (Radioatividade)
  • Cádmio (Substâncias Inorgânicas)
  • Chumbo (Substâncias Inorgânicas)
  • Cromo (Substâncias Inorgânicas)
  • Níquel (Substâncias Inorgânicas)
  • Acrilamida (Substâncias Orgânicas)
  • Cloreto de Vinila (Substâncias Orgânicas)

As “substâncias com os maiores riscos de gerar doenças crônicas, como câncer” são as que têm maior evidência de risco à saúde. Elas são listadas como “reconhecidamente” ou “provavelmente” cancerígenas, disruptoras endócrinas (que desencadeiam problemas hormonais) ou causadoras de mutação genética. Essas classificações de risco são da Organização Mundial da Saúde ou das agências regulatórias da União Europeia, Estados Unidos, Canadá e Austrália (links na descrição de cada substância).

Já o segundo grupo “substâncias que geram riscos à saúde” reúne todas as outras que também oferecem risco, segundo a literatura internacional e o Ministério da Saúde. Entre elas estão as “possivelmente” cancerígenas”, além das que podem causar doenças renais, cardíacas, respiratórias e alteração no sistema nervoso central e periférico.

Os critérios para fixar os limites de segurança para cada substância na água são do Ministério da Saúde, assim como a lista de substâncias que devem ser testadas na água de 2 a 4 vezes por ano.

O JP Agora entrou em contato com a Copasa para a concessionária comentar o caso, confira a nota a seguir.

Em resposta à reportagem recém-publicada sobre o Mapa da Água no país pelo Repórter Brasil, respeitado veículo de comunicação pautado por atuações nas áreas dos direitos fundamentais dos cidadãos e do meio-ambiente, a Copasa vem esclarecer que produz e distribui a água tratada para seus usuários em estrita obediência aos padrões de vigilância e potabilidade estabelecidos pela legislação vigente, conforme portaria GM/MS 888/2021 do Ministério da Saúde. 

Para isso a rede laboratorial da empresa está estruturada em centenas de laboratórios locais nas unidades operacionais, em laboratórios regionais e central, para a realização das análises, controle e vigilância da qualidade da água. 

De forma sistemática, resultados anômalos ocasionais nas análises de qualidade de água dão origem a novas campanhas amostrais, com a verificação do histórico geral de qualidade do sistema envolvido, inspeção sanitária para identificar eventuais causas e providências imediatas para a eliminação dessas causas e correção de problemas pontuais constatados. 

Cabe registrar que dos 76 municípios identificados em Minas Gerais pela reportagem do Mapa da Água, a Companhia é responsável pela prestação de serviços de 50 desses, representando o percentual de 66% do total observado.  

A Copasa tranquiliza todos os seus usuários, informando que a vigilância e o rigoroso controle da qualidade da água configuram-se como um processo valoroso para a empresa, razão pela qual salienta que a água tratada e distribuída se encontra dentro dos padrões de potabilidade, não representando quaisquer riscos à saúde das populações atendidas. 

Não obstante e por força de ofício, para os municípios abordados pela reportagem está sendo realizado internamente um levantamento pormenorizado das observações registradas pelo jornal Repórter Brasil, com todo o detalhe e rigor técnico que o tema requer, para que sejam elididas quaisquer dúvidas ainda remanescentes.  

6 COMENTÁRIOS


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


6 Comentários
Mais votados
Mais recente Mais antigos
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
ATÉ QUANDO NÓS VAMOS ACEITAR CALADOS ?????????????
2 meses atrás

Lendo a matéria, achei que estava falando de Chernobil, Cubatão, Fukoshima, Hiroshima, Nagasaki. Cidades mais poluídas, contaminadas do mundo. Pasmem, não é não. É de Jompis mesmo. Mas de onde vem tudo isso? Encanamento para distribuição de água do início da cidade, tubulação de ferro, tudo podre. Encanamento que arrebenta todos os dias. Quilos de adesivos plásticos, colando canos. Leia na descrição dos adesivos a composição. Água chegou branca igual leite. Todos falam o quê? É flúor… que nada meu povo… acoooorrrdddaaa… É cal virgem de pintar as linhas de campo de futebol, mascarando a sujeira da água. Pergunta a… Leia mais »

Com o povo e pelo o povo
2 meses atrás

Cidade que não tem um vereador pra lutar bate de frente com esse prefeito vereadores medroso que não tem competência deveria sair e da lugar pra quem realmente não tem medo de ir atrás dessa prefeito e cobra dele, essa água tá igual a construção do hospital municipal que fez a maior propaganda falando que tinha acabado o sofrimento de quem faz imodialise em Patos de Minas nunca acaba a construção mais aqui as coisas corre solto igual a água que e um discaso com a população,nem o vereador que pode bate de frente e cobra que e Mario Luiz… Leia mais »

Als
2 meses atrás

Porisso que o só Zé ali da esquina bebe só cachaça.e eu pensava que ele era bobo o bicho e muito e inteligente, ele já sabia disso tudo e nem me contou kkkkk

Edna Aparecida
2 meses atrás

Por isso que a agua está amarelada em nossa residência,muita química …esse mundo está cada vez pior…misericórdia!

Falando a verdade
2 meses atrás

E bom ver que alguém não gostou do meu primeiro comentário isso quer dizer que já sabiam e agora quem crítica são colocados como errados parabéns a você que mim deu deslaique no meu primeiro comentário sei que você não perdeu ninguém como eu perdir só nessa época vários parentes que não fumavam nem bebia mas mesmo assim deu câncer e não está aqui pra saber que foram assacinadas por governantes a presta atenção não e só João Pinheiro não amigos(a) e em várias cidades como aqui em Unaí acorda meu povo ao invés de brigar por política brigue pelos… Leia mais »

Falando a verdade
2 meses atrás

Tá de brincadeira e corona vírus e a violência e a falta de saúde decente e ainda nos invenenam com a água estão esperando o que mais um ataque nuclear para tomar providências #mudaBrasil
#pretolao
#corrupcao
#juizladrao
O povo não vive de # vive de ações nosso poder político que está aí pra nós representar e fiscalizar deixa isso acontecer ou uma já sabia e figiram que não via ou são incompetente e não faz o seu trabalho direito

Artigos relacionados

Últimas Notícias