PM e proprietários de bares agem em conjunto para controlar aglomerações na última sexta em João Pinheiro

Dois estabelecimentos fecharam as portas para evitar complicações

Jovens pinheirenses lotaram os principais bares de João Pinheiro na noite desta sexta-feira, 30 de julho. Diversos leitores encaminharam fotos à redação do JP Agora, que apurou, na manhã de hoje (31), que as aglomerações foram contidas pela PM e pelos próprios proprietários dos estabelecimentos.

As primeiras informações recebidas pelo site ainda na noite de sexta-feira (30) apontavam uma grande aglomeração no Caçapa, bar e restaurante localizado às margens da BR 040, no Centro da cidade. Depois, a redação recebeu fotos de vários jovens reunidos na rua do Spirrus e Marquinhos, no Bairro Esplanada.

De posse das informações, a equipe do JP Agora, na manhã de sábado (31), apurou que o Caçapa iniciou os trabalhos por volta das 19 horas e, depois que a lotação máxima foi atingida, barrou a entrada de novos clientes. Contudo, em um dado momento da noite, os clientes que conseguiram entrar não mais quiseram ficar sentados, momento em que os proprietários começaram a solicitar que todos se sentassem.

Publicidade
Barca de Churrasco - Dom Churrasco - Valor R$ 60,00

Mais adiante, a Polícia Militar chegou e alertou os proprietários, os quais, imediatamente, solicitaram a saída daqueles clientes que não tinham lugar para sentar. Todos os excedentes foram postos para fora, mas, instantes depois, os que tinham lugar para sentar começaram a ficar de pé novamente, descumprindo as determinações do decreto. Ainda, aqueles que foram postos para fora se recusaram a sair da área do bar, formando uma nova aglomeração.

Então, os proprietários do estabelecimento, vendo que não conseguiriam controlar a situação, resolveram acabar com o show e encerrar os atendimentos por volta das 22:00 horas. A grande maioria dos que ali estavam partiram, na sequência, para a rua do Spirrus Bar e Marquinhos Bar, formando novamente a grande aglomeração.

Os proprietários do Spirrus e Marquinhos também resolveram fechar as portas imediatamente quando notaram a formação da aglomeração. Pouco tempo depois, a PM também chegou para dispersar a multidão. Sem terem onde comprar bebidas, a maioria dos jovens partiram, então, para a entrada do Sítio Chapecó, onde um jovem de 22 anos foi morto a tiros.

Aglomeração, álcool, drogas e assassinato

A festa clandestina que aconteceu em frente a entrada do Sítio Chapecó, a poucos quilômetros da cidade, terminou em tragédia. Nas imagens que circulam na internet, é possível visualizar uma grande quantidade de pessoas aglomeradas, diversos veículos e som automotivo, quando, de repente, os disparos que vitimaram João Vitor Nogueira de Lima Sousa aconteceram.

O JP Agora apurou que João Vitor tentou fugir, mas foi alcançado e morto com dez tiros nas costas espalhados por todo o corpo. Informações preliminares apontam que o crime foi cometido por dois autores, os quais foram reconhecidos por testemunhas, mas não tiveram a identidade revelada para não atrapalhar as investigações.

As investigações preliminares apontam, ainda, que o homicídio tem relação com o tráfico de drogas. João Vitor era usuário e chegou a ser internado em uma clínica de reabilitação há um ano. No local do crime, os militares recolheram seis cápsulas de 9MM e cinco cápsulas de .38.

A equipe de reportagem conseguiu apurar, ainda, que um dos suspeitos já foi preso pela PM, que continua realizando diligências para resolver o caso.

7 COMENTÁRIOS


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


7 Comentários
Mais votados
Mais recente Mais antigos
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
ninguem
4 meses atrás

Vocês tem que parar de falar do sitio Chapecó tem que falar da estrada do Ribeirão ou outro nome que nao envolva os sitios ali perto, toda vez que fala do sitio chapecó da a entender que a festa era lá isso pega mal para os donos que nao tem nada haver com a festa. os donos ainda nao se manifestaram mais ele podem entrar com ação contra os veiculos de comunicação por conta disso.

Marcos Castro
4 meses atrás
Resposta para  ninguem

Na verdade não. Na sexta feira passei pelo Marquinhos e ouvi pessoas dizendo que iriam para o Chapecó. Também pensei que era o sitio, porém logo alguém me explicou que ficam ba beira da estrada, bem na entrada do sítio, porém, sem entrar. Um frio absurdo e esse povo indo para o meio de uma estrada de terra, loucura. Enfim, todo mundo sabe que não é no sítio, mas sim na ali na estrada. Mas concordo, a PM tinha que fazer alguma coisa.

Nada nada
4 meses atrás

Vermes…

E o CAÇAPA?
4 meses atrás

O caçapa tem promovido verdadeiras festas de arromba todo fim de semana, a prefeitura não devia permitir aquilo lá.

Anônimo
4 meses atrás
Resposta para  E o CAÇAPA?

Concordo, esse final de semana mesmo não estava cabendo mais gente, tanto dentro quandro fora do estabelecimento estava lotado, e a polícia lá fazendo segurança, ao invés de tomar outra providencia.

Critico
4 meses atrás

Povo e doido num Frio desse vai procurar o que na rua ,problema,doença, e gastar dinheiro atoa ne, e dar baraco em estabelecimento onde as pessoas estao trabalhando pra mamter o comercio prq os manifestantes nao estao nem ai com aglomeracao prq pra eles quanto mais gente melhor, e prq que esse bando de vagabundo que fica fazendo luau na porta dos sitios encomodando os moradores que tem que dormir cedo pra poderem madrugar pra trabalhar prq els nao vao fazer luau no quintal da casa deles ou num lugar onde nao mora ninguem.

Eu
4 meses atrás

O Bar da galega também lotado sem limites e os bares no santa cruz

Artigos relacionados

data-matched-content-ui-type="image_card_stacked"

Últimas Notícias