Publicidade
Chegou seu momento - Faculdade Cidade de João Pinheiro
Publicidade
InícioMinas GeraisPreso se passa por colega de cela e foge pela porta da...

Preso se passa por colega de cela e foge pela porta da frente de presídio em Minas Gerais

Francislei Silvio André utilizou o alvará de soltura de Yam Matilde Dornelas para sair tranquilamente da unidade prisional. Erro foi identificado no mesmo dia, mas homem ainda está foragido

Publicado em

Um preso de 32 anos e que é considerado de alta periculosidade pelas autoridades policiais conseguiu fugir pela porta da frente do Centro de Remanejamento Provisório (Ceresp) Gameleira no último dia 6 de fevereiro. Para fazer a façanha, Francislei Silvio André, que tem diversas passagens policiais, utilizou o alvará de soltura de um colega de cela, Yam Matildes Dornas, 22, que também é suspeito de ser cumplice na fuga.

Publicidade
Lubrificantes em geral na Lubrivaz em João Pinheiro

De acordo com o boletim de ocorrência registrado na unidade prisional, durante o tempo que ficou no Ceresp, Frasncislei fez o estudo completo da vida de Yam. Antes de ser liberado, ele passou por uma entrevista com servidores da unidade e respondeu de pronto perguntas de cunho pessoal do colega de cela que seria solto, como: nome completo, número do RG, nome dos pais, data de nascimento, endereço de residência, qual mão escreve e em que local foi preso.

O boletim de ocorrência informa ainda que o Ceresp não dispõe de aparelhos de biometria, o que poderia ter evitado a confusão. O equívoco só teria sido percebido pela chefia de segurança da unidade após Francislei ter sido liberado, durante uma comparação de fotos dos dois presos.

Publicidade
Dione Motos em João Pinheiro tem a proteção ideal para você

Por meio de nota, o Departamento Penitenciário de Minas Gerais (Depen-MG), ligado à Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), informou que está apurando as ciscunstâncias de soltura de Francislei Silvio André. Disse ainda que a Corregedoria da Sejusp já esteve na unidade prisional para verificar como se deu o cumprimento do referido alvará e que Francislei Silvio André é considerado como foragido da Justiça.

“O Depen esclarece que no dia 6/ de fevereiro a unidade prisional recebeu alvará de soltura concedido pela Justiça ao detento Yam Matildes Dornas, de 22 anos. Contudo, o preso liberado foi Francislei André. A falha foi diagnosticada no mesmo dia e o detento Yam Dornas, real beneficiado pela Justiça, foi liberado. A Sejusp apura a conduta dos servidores envolvidos na soltura indevida do preso, respeitando sempre o direito à ampla defesa e ao contraditório”, informou o Depen em nota.

A reportagem solicitou e aguarda um posicionamento do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) sobre o caso.

Publicidade
Raimundo Contabilidade em João Pinheiro

Caso é incomum

A advogada criminalista, Carla Sirlene, afirma que casos como esse, em que um preso se passa por outro e consegue ser liberado são incomuns. De acordo com a especialista, o crime mais visto está ligado à falsificação de alvarás.

“O que eu conheço é caso de alvará falsificado, mas um sair com o alvará do outro não. Hoje a maior parte dos alvarás são expedidos eletronicamente. Isso significa o advogado não tem acesso e é um comunicado da Justiça diretamente com o presídio. Falhas a gente vai ter em todo sistema, não existe nada cem por cento seguro. Mas esse tipo de um sair com o alvará do outro é algo bem incomum”, pontuou.

A advogada diz que um dos fatores que pode ter contribuído para o equívoco é a alta rotatividade de presos no Ceresp Gameleira. “O Ceresp é uma base provisória. Então muitas vezes os agentes conhecem quem é o fulano ou o beltrano. Porque não conseguiram se familiarizar e há uma rotatividade. Na hora que chamou o preso que iria sair, o outro se apresentou no lugar. O sistema de biometria poderia até dificultar a ocorrência do erro, mas sistema cem por cento perfeito não existe em lugar nenhum”, disse.

Publicidade
FonteO Tempo

Comentários


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


Publicidade
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários

mais artigos