Publicidade
Nova recepção com mais espaço - OdontoCompany João Pinheiro
Publicidade
InícioBrasilCafé subiu 58% nos últimos 12 meses; preço poderá cair no final...

Café subiu 58% nos últimos 12 meses; preço poderá cair no final de junho de 2023

Em 12 meses, o café sofreu inflação de cerca de 58%, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Publicado em

O preço do café escalou 58% em 12 meses, de acordo com os dados mais recentes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A colheita da atual safra está quase no fim e, com números abaixo do esperado, ela não deve representar alívio nos preços no curto prazo, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic). O produto que o consumidor encontra hoje nas prateleiras é do estoque que deve durar até o final de junho de 2023, por isso não há margem para diminuição significativa dos valores pelo menos até lá.

Publicidade
Sicredi - Unidade inaugurada em João Pinheiro

O alívio pode surgir depois disso, caso as chuvas nas regiões produtoras esteja dentro do esperado nos próximos três meses. “O café é uma commodity que depende da natureza e as chuvas, neste momento, são o fiel da balança. As chuvas definirão a safra de 2023 e 2024. Elas foram pontuais nas regiões produtoras nos últimos 15 dias. Uma chuva mínima e a grande maioria das lavouras não a recebeu, o que traz estresse ao mercado. Mas há previsão de chuva para outubro e novembro, o que trará mais tranquilidade”, avalia o presidente da Abic, Pavel Cardoso.

Na última semana, a Cooperativa Central de Cafeicultores e Agropecuaristas de Minas Gerais (Coccamig), que reúne 16 produtores do Estado, anunciou que a safra de 2022 está 16% menor que a de 2021, que já foi um ano considerado ruim, e 53% menor do que a de 2020, quando a produção foi melhor. Nesse cenário, a analista de agronegócios da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg) Ana Carolina Gomes pondera que há margem para os preços continuarem a subir.

Publicidade
Pop Pet Center em João Pinheiro

“Faltar, não falta, porque o Brasil é o maior produtor e exportador de café e ainda conseguimos honrar os compromissos. Mas tudo será mais enxuto. Isso acaba impactando toda a cadeia produtiva e o preço. Os custos dos produtores estão aumentando e ameaçam a sobrevivência dele no campo”, conclui.

Comentários


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


Publicidade
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários

mais artigos