Chacina de Unaí completa 17 anos com todos os condenados soltos: ‘impunidade’

Condenado a mais de 65 anos após confessar que ordenou as execuções de auditores do trabalho, o fazendeiro Norberto Mânica aguarda trâmites jurídicos para ser preso

Exatos 17 anos, 6.210 dias e 149.040 horas de impunidade, dor e revolta. “É um vazio e uma injustiça tão grandes que não consigo descrever. Foi um crime brutal e uma violência tão pesada que deixou uma marca que jamais será esquecida. Penso no meu marido morto todos os dias”.

O forte depoimento é da professora Marinês Lima de Laia, de 53 anos, uma das viúvas da Chacina de Unaí. O marido dela, Eratóstenes de Almeida Gonsalves, trabalhava como auditor fiscal do Ministério do Trabalho e foi executado com vários tiros, juntamente com os também auditores, Nélson José da Silva e João Batista Soares Lage, e o motorista Aílton Pereira. No dia do crime, eles investigavam denúncias de trabalho escravo no município que fica na região Noroeste de Minas.

A cada ano que se completa de impunidade, a secretária Helba Soares da Silva, esposa do auditor Nelson José da Silva – principal alvo dos criminosos – costuma se queixar às pessoas próximas “Até quando vamos esperar justiça?”. Ela ainda vive em Unaí, onde moram os mentores da chacina.

Publicidade
Dom Churrasco em João Pinheiro - Barca de Churrasco e Jantinha

Mandante confesso do crime e condenado a 65 anos, 7 meses e 15 dias de prisão, o fazendeiro Norberto Mânica ainda aguarda trâmites jurídicos para cumprir a pena. Além dele, outros cinco condenados estão soltos, seja esperando decisão da Justiça para executar a sentença, em liberdade domiciliar ou em regime aberto. Um dos réus morreu, outro teve a pena prescrita e apenas um dos executores dorme na prisão, mas tem autorização para sair durante o dia.

Apontado por ter orquestrado os assassinatos, o ex-prefeito de Unaí, Antério Mânica, também chegou a ser condenado a 100 anos de prisão, em primeira instância, pelo crime. No entanto, a Justiça anulou a decisão e determinou a realização de um novo julgamento. “Quem perdeu foi só a gente, os familiares das vítimas. Para eles, continua tudo normal, a vida segue sem punição. Nada traria o meu marido e os colegas dele de volta, mas seria um alento se a Justiça fosse feita”, declarou a viúva Marinês.

Por causa do crime que chocou o país em 2004, 28 de janeiro foi instituído como Dia Nacional do Combate ao Trabalho Escravo. A data simbólica, contudo, expõe a morosidade da Justiça para punir este tipo de crime no Brasil. Presidente da Delegacia Sindical de Minas Gerais do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait), Ivone Corgozinho descreve como “vergonhoso, imoral e indecente” nenhum dos envolvidos na chacina estarem de presos. “A impunidade, principalmente dos mandantes, é bárbara. Não foi um crime contra pessoas, foi um crime contra o Estado. E nem assim existe punição”, esbravejou.

Defesa

Procurada pela reportagem do Jornal O Tempo, a Justiça Federal não informou quando o processo terá andamento – o que poderia determinar a prisão de pelo menos três dos acusados de ordenar a chacina. Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que representa Norberto, disse que acompanha os ritos processuais.

“Fiz toda a defesa alegando que ele era inocente. Sempre confiei nele e as provas reforçavam isso. Mas, posteriormente, ele resolveu dizer que não queria prejudicar a família e contou outra história. Então, não tem o que se manifestar, apenas aguardar”, pontuou Kakay.

O advogado explica que, em 2018, o fazendeiro assumiu, em documento registrado em cartório, que era ele o mandante do crime, eximindo Antério de qualquer relação com a chacina. O advogado Marcelo Leonardo, defensor de Antério, também sustenta a inocência de seu cliente.

Segundo ele, o nome do ex-prefeito não foi indiciado pela Polícia Federal nem denunciado pelo Ministério Público Federal no início das investigações. “Posteriormente, no meio do processo, teve um aditamento que o incluiu. Ele foi julgado e condenado. O processo foi para apelação e o tribunal entendeu que ele era inocente. Hoje ele é uma pessoa inocente, mas será submetido a outro julgamento que ainda não tem data”, informa Marcelo Leonardo.

Sentenciado a 31 anos por orquestrar o crime, Hugo Alves Pimenta, representado por Lúcio Adolfo, optou por não se pronunciar sobre o caso.

Envolvidos na Chacina de Unaí:

Acusados de executar o crime

• Rogério Alan Rocha Rios – condenado a 94 anos de prisão. Cumpre a pena em regime aberto;
• Erinaldo de Vasconcelos Silva – condenado a 76 anos de prisão. Cumpre a pena em regime semiaberto mas, por causa da pandemia, foi para a prisão domiciliar;
• William Gomes de Miranda – condenado a 56 anos de prisão. Cumpre pena em regime semiaberto.

Acusados de contratar os matadores:

• Francisco Elder Pinheiro – morreu em 2013 sem ser julgado;
• Humberto Ribeiro dos Santos – teve a pena prescrita.

Acusados de orquestrar a chacina (todos aguardam recursos judiciais e estão soltos):

• Norberto Mânica – condenado a 65 anos, 7 meses e 15 dias de reclusão;
• José Alberto de Castro – condenado a 58 anos, 10 meses e 15 dias de reclusão;
• Hugo Alves Pimenta – condenado a 31 anos e 6 meses de reclusão;
• Antério Mânica – chegou a ser condenado a 100 anos de prisão, mas teve o julgamento anulado.

FonteO Tempo

1 COMENTÁRIO


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


1 Comentário
Mais votados
Mais recente Mais antigos
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Zona leste sp
11 meses atrás

Hoje e dia o dinheiro fala mais alto né quem tem dinheiro faz juiz corruptos se calar no caso deles tem dinheiro pra bater de pau toda fez que vai sair algum julgamento sempre e anulado ou cancelado e assim vai por vários e vários anos.

Artigos relacionados

Últimas Notícias