Com a mãe na UTI, mulher cai em golpe e deposita mais de R$11 mil a criminoso que se passou por médico

O valor, segundo o criminoso, seria para pagar dois exames; a mãe da vítima segue em estado grave

Uma mulher moradora da cidade de Patrocínio perdeu, na última terça-feira (29) quase R$12.000,00 (doze mil reais). O dinheiro foi depositado na conta de um criminoso que se passou por um médico que supostamente estaria atendendo a mãe da mulher. A Polícia Militar fez um alerta para a população.

De acordo com a Ascom do 46º BPM, a vítima do estelionato compareceu à sede do batalhão e alegou ter caído em um golpe com prejuízo financeiro de R$11.980,00. Ela relatou que sua mãe estava internada na UTI da Santa Casa de Misericórdia de Patrocínio e que, por volta de 10h20, recebeu uma ligação telefônica de um indivíduo que se identificou como sendo um doutor médico infectologista da Santa Casa.

O suposto médico informou que o quadro da mãe da vítima era sério e que não estavam conseguindo descobrir qual era a bactéria para administrar o antibiótico correto, sendo necessária a realização de 2 exames para descobrir, porém que se fosse solicitado pelo plano da UNIMED, demoraria aproximadamente 2 dias para autorizar, e que se já fosse pago naquele momento realizariam os exames imediatamente e o tratamento seria mais rápido.

A vítima disse que, passados alguns minutos, o golpista ligou novamente para seu celular, tendo ela dito que havia conseguido o valor para a realização dos exames, R$11.980,00, sendo informada pelo criminoso, de forma ilusória, que o convênio Unimed lhe reembolsaria todo o valor posteriormente. Então, às 11h22, a vítima realizou a transferência de todo o valor para uma conta bancária informada pelo autor.

A vítima somente desconfiou se tratar de um golpe quando, mesmo tudo estando já combinado com o estelionatário, este veio a lhe ligar novamente perguntando se a transferência do valor teria dado certo.

A Polícia Militar fez um alerta à população e orientou que, em caso de dúvidas referentes a ligações recebidas de “supostos” estabelecimentos bancários, saúde e demais entidades, desligue o telefone. Após isso, a própria pessoa que recebeu a ligação faça uma ligação para outro número de telefone do referido estabelecimento, um telefone que seja conhecido ou oficial, para esclarecimento das dúvidas.


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários

Artigos relacionados

Últimas Notícias