Familiar de homem que foi assassinado pelo filho na zona rural de João Pinheiro contesta versão divulgada dos fatos

Uma parente da vítima Aldamir Lacerda da Silva, representando sua família, procurou o JP Agora para se manifestar

Foi veiculada na última terça-feira (14) matéria que noticiou o assassinato de Aldamir Lacerda da Silva cometido por seu próprio filho, de 16 anos de idade. A família indignada, procurou a redação do JP Agora para esclarecer que as informações que foram apuradas inicialmente são inverídicas e que acabam por postergar e ampliar o sofrimento dos familiares. O portal JP Agora abiu o espaço para manifestação da família.

O caso registrado na noite de segunda-feira, (13), no PA Fruta D’anta. Na ocasião, a Polícia Militar foi acionada para atender um chamado de possível suicídio após um homem de 47 anos ter sido encontrado sem vida, amarrado em árvore pelo pescoço. Enquanto as informações ainda eram colhidas no local do fato, o filho da vítima, de 16 anos de idade, procurou os militares e confessou ter assassinado seu pai para se defender das agressões dele.

No boletim de ocorrência feito pela Polícia Militar, contém a versão do menor de idade que denuncia a prática reiterada de violência doméstica e abuso de substâncias entorpecentes por parte de seu pai. Consta na ocorrência ainda, que o infrator confessou ter sido o autor da morte de Aldamir Lacerda.

Publicidade
Farmacia Pinheirense 970x250 1

A matéria produzida, teve como base os elementos de informação contidos no inquérito policial instaurado pelo Delegado de Polícia da cidade e repassado a equipe do JP Agora.

A prima da vítima, que não quis se identificar, alega que as informações divulgadas nos portais de notícia da cidade e do estado, distorceram a realidade. Segundo o relatado, Aldamir Lacerda não tinha comportamento agressivo e era improvável ser ele o autor de tal violência doméstica. “Confesso não ter sido fácil para a família ter lido tanta barbárie e o pior, estarmos vivendo esta tragédia. Generalizaram o caso tratando o filho como vítima e o pai como o criminoso” conta a prima da vítima.

Segundo relatado por ela, Aldamir era uma pessoa muito trabalhadora e dedicada “Cresci com o Adalmir, convivi pouco com ele após adulto pois, a vida dele era trabalhar nas zonas rurais da região de JP em serviços pesados e sofridos como em carvoeiras. O Adalmir usava drogas sim, nunca tivemos relatos dele agredindo pessoas, embora não posso afirmar que nunca tenha havido, porque conforme acima não estava sempre com ele”.

Conforme a versão exposta, a família era muito unida e apesar da pouca convivência com Aldamir, sabia que ele era um pai amoroso e dedicado “A última vez que ele esteve com toda a família, foi no ano passado há exatamente 01 ano e 03 meses quando sua mãe faleceu. Toda a família tem as melhores lembranças dele, daquela pessoa que se emocionava quando via a gente e chorava a todo momento de alegria, de emoção. Era um ser humano que amava o filho, segundo a minha prima que é irmã dele, foi o próprio Adalmir que deu ao filho o carro que foi usado para tirar a sua própria vida. Era um pai amoroso com àquele que o tirou a vida de tal modo, que certa vez ele esteve na casa da minha tia e ela o deu algumas roupas do marido dela e o Adalmir disse a ela: Nossa, chegou na hora certa! Estou com um dinheiro aqui, mas é para eu comprar um celular para o meu filho.”

Evidenciando a perplexidade da família com o caso e com as notícias divulgadas, a prima de Aldamir pede por justiça “As notícias que circularam são tão impiedosas e sensacionalistas, que ninguém parou para pensar em quantos braços ele teria que ter para ao mesmo: segurar, levantar e amarrar o pai e, uma árvore. Ou seja, será que ele fez tudo isso sozinho? Alguém procurou saber se a mãe desse menino é usuária de drogas assim como eles? Será que a polícia abriu inquérito? Será que o meu primo a quem nós da família carinhosamente chamávamos de Tim, era mesmo esse monstro que foi dito pelo filho dele? Será que ele agiu mesmo sozinho, e não está querendo livrar a cara de alguém por ser menor de idade? Enfim, queremos justiça!!!”

Ademais, em resposta a algumas perguntas feitas pela redação do JP Agora, a declarante informou que Aldamir era um pai amoroso e da tudo que podia ao filho. Informou ainda, que Aldamir era usuário de drogas drogas ilícitas e suspeita que sua mulher também era, e que era impossível o adolescente ter agido sozinho. Por fim, reforçou que Aldamir era muito honesto, atencioso e trabalhador.

3 COMENTÁRIOS


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


3 Comentários
Mais votados
Mais recente Mais antigos
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Lacerda
2 meses atrás

Essa prima nunca se preucupou quando a mãe do preto tava acamada de câncer e o preto lutava de faça com a esposa e irmã todos drogado sem um pingo de consideração pela mãe doente de cama alimentando por sonda esses parentes nunca apareceu agora v da a de revoltada Jp vcs são incríveis e sabem fazer materia então preucura que realmente tinha contado direto com a família que é totalmente disininuda um querendo ser mas que o outro e só reconhece que e da família quando morre preucura a moça que cuidou da mãe do preto até a hora… Leia mais »

Carla
2 meses atrás

Fiquei horrorizada, com tal fato ,e principalmente da forma q foi dita ,conhecemos a vítima a muitos anos e nunca vi nele esse monstro q colocaram, ao contrário do filho q sempre foi muito rebelde .

.....
2 meses atrás

Difícil ?

Artigos relacionados

data-matched-content-ui-type="image_card_stacked"

Últimas Notícias