17.6 C
João Pinheiro
sexta-feira, julho 30, 2021

Moradores denunciam aglomeração de pessoas em Brasilândia de Minas e cobram por providências

A redação do JP Agora recebeu diversas imagens e vídeos de duas aglomerações, uma em um bar e outra em um sítio

Apesar da Covid-19 continuar sendo uma realidade na vida dos brasileiros, alguns jovens de Brasilândia de Minas não estão cumprindo adequadamente as determinações da Prefeitura Municipal referentes à prevenção do contágio da doença. É o que denunciam moradores do município à redação do JP Agora.

Os vídeos recebidos pela redação do site mostram pessoas aglomeradas em dois lugares distintos. Um deles, no Bar Original, localizado no Bairro Contigente. O segundo trata-se de uma festa, que foi amplamente divulgada nas redes sociais, realizada no Espaço Premium. Assim como a maioria das cidades mineiras, Brasilândia de Minas autorizou o funcionamento de bares, lanchonetes e afins desde que os proprietários cumpram rigorosamente com determinados requisitos.

As determinações mais recentes estão insculpidas no artigo 6º do Decreto 049, de 01 de junho de 2021, que dispõe que os bares, mercearias, padarias, lojas de conveniência, lanchonetes, pizzarias, boleiras e demais estabelecimentos congêneres podem receber o público, desde que a ocupação seja reduzida a 50% de sua capacidade, com distanciamento de 3 metros, ocupação de mesas com apenas duas pessoas, não sendo permitido nenhum tipo de aglomeração.

No entanto, as imagens que chegaram à redação do JP Agora mostram uma situação muito diferente. Além do grande número de clientes em pé circulando pelo bar sem máscara, diversas mesas recebiam mais de dois clientes por vez. Ainda, ao que parece, a distância entre as mesas também não estava sendo respeitada.

A equipe de reportagem do JP Agora conseguiu falar com Diogo, proprietário do Bar Original. Em entrevista, ele disse que parou de vender assim que a aglomeração se formou e que, inclusive, fechou o bar mais cedo, às 21:40 horas, mas que demorou um pouco até que todos fossem embora.

Drinks, bebidas, comidas típicas, fogueira e DJ

Apesar de terminantemente proibido, a segunda aglomeração de pessoas denunciada à redação do JP Agora se tratava de uma festa organizada, até mesmo com divulgação nas redes sociais. Os vídeos mostram cerca de 100 pessoas no espaço premium, agindo normalmente como se não existisse as determinações da prefeitura proibindo aglomerações.

O artigo 2º do Decreto 049/2021 proíbe a realização de festividades de qualquer natureza, públicas ou privadas, o que não foi suficiente para que a festa acontecesse no Espaço Premium. O anúncio apontava drinks, bebidas, comidas típicas, fogueira e DJ, dando a entender que a festa seria aberta ao público.

Apesar da revolta de alguns moradores, informações extraoficiais indicam que a situação não chegou ao conhecimento da Polícia Militar. Até o fechamento desta reportagem, o JP Agora não havia recebido nenhuma declaração oficial sobre o caso.

11 COMENTÁRIOS


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


11 Comentários
Mais votados
Mais recente Mais antigos
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Leidiane Mendes Soares
17 dias atrás

O povo n tá tendo noção da gravidade que é esse vírus…Só qndo tiver alguém da família na cama de uma UTI aí sim vai aprender a dar valor na própria vida e na vida do próximo…ta uma vergonha aqui em Brasilandia…e os q n devem que pagam pela irresponsabilidade de muitos infelizmente

Zé Povim
17 dias atrás

Terra sem lei! Ficam fazendo “vista grossa” festas são anunciadas abertamente em redes sociais…
a policia militar está muito desinformada, modestamente. Até os cachorros de Brasilândia sabiam desse evento.

Fernandes
17 dias atrás
Resposta para  Zé Povim

A Policia Militar, compareceu ao local e tomou as providências que lhes compete, foi feita uma ocorrência na qual responsabiliza-se o responsável pelo evento, o Jornal não cita isso. A prefeitura municipal manteve-se inerte, não havia fiscais para tomar as providências de polícia sanitária. Quando envolve votos, geralmente é assim.

Zé Povim
16 dias atrás
Resposta para  Fernandes

Peraí! Não existe um decreto, estadual ou municipal, alguma coisa que proíba a realização desse tipo de evento? Se existe eu entendo que a PM tem total respaldo jurídico pra fazer a intervenção e fechar o estabelecimento e enviar todos para casa. Porque que tem que ser a prefeitura?

População de Bem
16 dias atrás
Resposta para  Zé Povim

O Poder de Polícia Sanitária é da Prefeitura Municipal, a quem DEVE AGIR NESSES CASOS.

ASDFG
17 dias atrás

Tá quase virando é um jornal de Brasilândia de Minas, maioria das notícias é de lá.

Santos
17 dias atrás

As pessoas não pensar nem em sí mesmo, imagina no próximo…..🥱🥱 cadê o prefeito que não cê pronunciar nessa situação?!!! Complicando neh, Brasilândia a cidade que não cumprir decreto, que não existe regras…😎😜

Eudis
17 dias atrás

Tudo invejosos sem amigo, não tem ninguém pra aglomerar ! Kkkk

.
17 dias atrás

Jornalzinho medíocre.

Zé Povim
17 dias atrás
Resposta para  .

Falar abertamente sobre assuntos divergentes de interesse geral é mediocridade?
Falar asneiras aos quatro cantos “também” é mediocridade.
Pelo visto você está batendo muita continência para o capitão errado.

Capitão do exército
17 dias atrás
Resposta para  .

Medíocre é esse povo de Brasilândia, não queremos saber de vocês aqui em João Pinheiro, vai espalhar esse vírus em outra vizinhança, cambada de desordeiros infectados.

Artigos relacionados

data-matched-content-ui-type="image_card_stacked"

Últimas Notícias