Necropsia aponta que criança morta em Brasilândia não ingeriu cápsulas de remédios; exame toxicológico ficará pronto em breve

A informação foi divulgada pelo Delegado Regional Dr. Douglas Magela

O exame de necropsia realizado no corpo da criança de dois anos encontrada morta na manhã de ontem em Brasilândia de Minas apontou que ela não havia tomado comprimidos nas horas que antecederam a sua morte. A informação foi repassada à imprensa pelo Delegado Regional Dr. Douglas Magela. O exame toxicológico ficará pronto em breve e apontará se houve superdosagem de outros medicamentos.

As investigações, segundo o delegado, se iniciaram assim que a Polícia Civil soube do ocorrido. Imediatamente, uma equipe da perícia técnico científica se deslocou para Brasilândia de Minas para apurar todas as circunstâncias do fato, principalmente da cena encontrada no quarto da criança. Por enquanto, Dr. Douglas apontou que é prematuro tirar qualquer tipo de conclusão.

“Seria prematuro por parte da Polícia Civil, Polícia Técnico Científica, afirmar, neste momento, qual seria a causa mortis da criança. Será preciso o exame de necropsia para que seja determinado se houve o envenenamento ou se a criança veio a óbito em decorrência de outras circunstâncias” ressaltou o Delegado Regional em vídeo gravado ontem e enviado à imprensa de Paracatu, antes do resultado da necropsia.

Dr. Douglas pontuou, ainda, que a vítima era portadora de necessidades especiais, que foi encontrada sem vida em seu quarto e que o local era organizado, assim como o restante da casa, não sendo constatado situação de vulnerabilidade no primeiro momento. Na manhã de hoje, 28 de janeiro de 2022, o resultado da necropsia foi revelado.

No vídeo, Dr. Douglas informou que o laudo apontou que o estômago da criança não apresentava sinais de que ela havia ingerido cápsulas e comprimidos nas horas que antecederam a sua morte. Além disso, o delegado ressaltou que o exame macroscópico apontou a inexistência de lesões e sinais de asfixia, assim como foi possível notar que ela era bem cuidada e estava bem nutrida.

“A criança foi submetida a exame necroscópico ontem, não restando evidenciado qualquer tipo, qualquer sinal de lesão corporal na criança, ou sinal que indicasse que ela tenha sido asfixiada, muito pelo contrário, o exame macroscópico indica que tratava-se de uma criança muito bem nutrida, muito bem cuidada. Não foi encontrado, também, qualquer elemento que comprove ou indique que a criança tenha ingerido qualquer tipo de comprimido antes de sua morte. Não havia no estomago dela qualquer tipo ou resquício de comprimido” pontuou Dr. Douglas no vídeo enviado à imprensa.

O delegado pontuou que a criança era especial e fazia uso de medicamentos controlados, o que motivou a realização de exame toxicológico para constatação de eventual superdosagem. Mesmo assim, Dr. Douglas ressaltou que nada evidencia que ela tenha ingerido medicamentos pouco antes de sua morte.

Sobre o estado de saúde da mãe, o delegado esclareceu que ela segue internada e inconsciente e que os demais elementos de prova serão apurados no bojo da investigação criminal. Ao final do vídeo, o Delegado Regional Dr. Douglas ressaltou que o caso é bastante delicado e requer cautela para que se evite pré-julgamentos.

“É importante ressaltar que casos dessa natureza é preciso muita cautela, muito cuidado antes de impor qualquer tipo de condenação ou acusação às pessoas envolvidas nesse cenário. A Polícia Civil segue na investigação criminal, aguardaremos o laudo toxicológico que será encaminhado para Belo Horizonte e em breve teremos mais notícias sobre o caso” pontuou.

As primeiras informações divulgadas pela imprensa foram baseadas nas informações contidas no boletim de ocorrência inicial produzido pela Polícia Militar. O JP Agora seguirá acompanhando o caso de perto.

5 COMENTÁRIOS


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


5 Comentários
Mais votados
Mais recente Mais antigos
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Joana Pereira
3 meses atrás

O mínimo que o JP Agora deve fazer é se retratar pela matéria sensacionalista que fez. Mínimo.
Ao publicar uma matéria assim, muitas pessoas ficam chateadas, indignadas e perdem a fé na imprensa. Sem contar que por causa de uma matéria sensacionalista, muitas pessoas ficaram julgando e apontando o dedo para mãe em específico e para a família no geral.
Numa situação dessas a família sofre muito. Não sou da família, mas tenho filhos, imagino a dor!

Espero que publiquem meu comentário. E espero também que tenham a atitude de se retratar.

Chateado com a Jp. Agora
3 meses atrás
Resposta para  Joana Pereira

Para julgar uma pessoa tem que ter muita certeza
Isso cabe a Prcesso contra a imprensa
Pelo fato de Julgar a própria Mãe de assassinato
Uma Falta de Repeito com a Família

JOSÉ GERALDO
3 meses atrás

Além disso pode gera uma reação nas pessoas de lixar ela então melhor colocar suspeita que vcs estariam não sensualizando o caso.

Cris
3 meses atrás

Muita falta de respeito.
Cadê aquele tanto de gente na outra matéria julgando, xingando. Cadê eles aqui pra pedir desculpa pra família?

Adv Social.
3 meses atrás
Resposta para  Joana Pereira

A matéria inicialmente disse que foi baseada em informações da policial militar, se realmente isso aconteceu, foram muito levianos em expor essa mãe assim, e infelizmente não é a primeira vez que isso ocorre, e nem será a ultima.

Artigos relacionados

Últimas Notícias