Pesquisadores identificam quase 500 problemas no serviço de abastecimento de água em mais de 30 cidades de Minas

Entre os problemas estão a paralisação no abastecimento de água e a qualidade com que o produto chega às residências

Um estudo protagonizado pelo Programa Mais Água e Esgoto avaliou durante todo o mês de julho a situação do abastecimento hídrico e também da coleta de esgoto em mais de 30 cidades mineiras, e o resultado foi alarmante. Pesquisadores da Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais (Asae-MG) encontraram quase 500 problemas relacionados a esses serviços entre eles a paralisação no abastecimento de água ou então a qualidade com que o produto chega às residências.

A gerente de informações operacionais do Programa Mais Água e Esgoto, Luciana Alcobaça, explica. “A gente questiona como que está o volume gerado, coletado, tratado de esgoto, a qualidade do tratamento, ocorrência de desvio, os volumes produzidos e distribuídos e racionamento de água, como que está a extensão de rede, funcionamento da estação de tratamento de água, medição, a qualidade da água, paralisação. A gente também verifica reclamação dos usuários, comprimento de prazos de ligação, vistoria e vazamento. A gente pega todos os tipos de informações, ausência de informações, inconsistência dos dados e mau desempenho nos serviços prestados à população.”

De acordo com Luciana, praticamente 50% dos problemas constatados são relacionados ao desempenho dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário. “O mau desempenho configura-se por resultados insatisfatórios na prestação do serviço como índices de baixos atendimento, altas perdas de água, não atendimento ao plano de amostragem, não atendimento aos padrões de portabilidade, baixa eficiência no tratamento de esgoto, alto índice de reclamação, baixo índice de atendimento às demandas dos usuários, descumprimento contratual e por aí vai.”

Publicidade
Barca de Churrasco - Dom Churrasco - Valor R$ 60,00

Por meio de nota, a Copasa informou que não teve acesso ao estudo e portanto não pode se pronunciar sobre o assunto.

6 COMENTÁRIOS


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


6 Comentários
Mais votados
Mais recente Mais antigos
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
João César Cardoso da Silva
3 meses atrás

Isso está min cheirando politicagem,tem que fazer está pesquisa em todos os órgãos público estaduais de minas gerais

Anônimo
3 meses atrás

Em JK já vi a água sair de cor rosa, e se colocar em um litro descartável de um dia para o outro pode se notar que algo desse para o fundo do litro, parecendo lama ou lodo.

Maria
3 meses atrás
Resposta para  Anônimo

Verdade em minha casa.3 pessoa a conta vem de 400 reais e um abersudo isso a gente chama elles. Não resolvi nada esgotou tudo entupido ele ainda cobrar veganha

Português
3 meses atrás
Resposta para  Maria

Meu Deus!! Pede alguém pra escrever por vc minha filha!!! Está difícil até de decifrar!!

Maria
3 meses atrás

Sem palavras

Mix
3 meses atrás

É uma vergonha ,se agente paga caro deveria ao menos ter direito de sermos bem tratados serviço da copasa de João Pinheiro é péssimo deixa muito a desejar

Artigos relacionados

data-matched-content-ui-type="image_card_stacked"

Últimas Notícias