Publicidade
Anúncio: J3 Ar Condicionado em João Pinheiro - Manutenção, Higienização e Instalação de Ar de todas as marcas
Publicidade
InícioCidadePiracema proíbe pesca no Rio do Sono e Rio da Cachoeira das...

Piracema proíbe pesca no Rio do Sono e Rio da Cachoeira das Almas até o dia 28 de fevereiro

O chamado período de defeso proíbe a pesca em alguns rios ou limita a atuação de pescadores em outros

Publicado em

Pescadores que costumam frequentar os rios da região devem ficar atentos às portarias que regulamentam o período da Piracema em Minas Gerais e que entraram em vigor no dia 1º de novembro. O chamado período de defeso proíbe a pesca em alguns rios ou limita a atuação de pescadores em outros. Em João Pinheiro, a pesca está proibida no Rio do Sono e no Rio da Cachoeira das Almas.

Publicidade
WN Telecom - Publicidade

A pesca fica proibida nos seguintes locais:

  • Nas lagoas marginais;
  • A menos 500m de confluências e desembocaduras de rios, lagoas, canais e tubulações de esgoto;
  • Até 1.500m a montante e a jusante das barragens de reservatórios de empreendimento hidrelétrico, e de mecanismos de transposição de peixes;
  • Até 1.500m a montante e a jusante de cachoeiras e corredeiras;
  • Até 500 m a jusante dos demais barramentos;
  • No trecho do Rio das Mortes, desde a sua nascente até a cachoeira das Lavras a jusante de Severiano Rezende;
  • No Rio Grande, em Minas Gerais, no trecho compreendido entre a ponte rodoferroviária do município de Ribeirão Vermelho e o barramento da UHE de Camargos;
  • No rio Grande, no trecho a jusante da barragem da UHE de Porto Colômbia até a ponte Engenheiro Gumercindo Penteado (nos municípios de Planura/MG e Colômbia/SP), exceto para fins de transporte, embarque e desembarque, em que se considera como ponto de referência o Porto Sakuma na margem do estado de São Paulo e o Porto Rio Grande na margem do estado de Minas Gerais.
  • No Rio Paranaíba, da sua nascente, até o município de Lagamar;
  • No rio Paranaíba, no trecho compreendido entre a jusante da UHE de Emborcação até a ponte Estelita Campos na BR 050;
  • no rio Paranaíba, no trecho compreendido entre a UHE Itumbiara e a ponte rodoviária da BR 153 nos municípios de Itumbiara (GO) e Araporã (MG);
  • No rio Paranaíba, no trecho compreendido entre a jusante da UHE de Cachoeira Dourada até 500 metros a jusante da confluência com o Rio Meia Ponte;
  • No rio Paranaíba, no trecho compreendido entre a jusante da barragem da UHE São Simão e a ponte rodoviária da BR 365 (nos municípios de Santa Vitória/MG e São Simão/GO);
  • Nos rios Quebra-Anzol, Araguari e seus respectivos afluentes, incluindo aqueles formadores do reservatório de Nova Ponte no estado de Minas Gerais;
  • No Rio Tijuco ou Tejuco, de sua nascente no município de Uberaba até sua foz no Reservatório de São Simão, até a travessia da balsa, entre os municípios de Santa Vitória e Ipiaçu e seus afluentes;
  • No Rio da Prata, de sua nascente no município de Veríssimo até a sua foz no Rio Tijuco e seus afluentes;
  • No Rio Araguari, do barramento do PCH Amador Aguiar II (Capim Branco II), até a ponte de Tupaciguara na rodovia MG223.
  • No Rio Pandeiros e nos seus afluentes, em toda a sua extensão;
  • No Rio da Prata, de sua nascente até sua foz no Rio Paracatu, no Município de Lagoa Grande;
  • Nos cursos d’água, cuja lâmina d’água possua largura igual ou inferior a 20 metros, no momento da fiscalização;
  • No rio Cipó e seus afluentes, da nascente à foz com o Rio Paraúna;
  • Para todas as categorias e modalidades, nas lagoas marginais, assim consideradas as coleções hídricas formadas pelo lago ou lagoa principal, e os alagados, alagadiços, banhados, canais de ligação ou poços naturais, situados em áreas inundáveis, que apresentam a comunicação com os rios e os demais ambientes hídricos, em caráter permanente ou temporário.
  • No rio Abaeté e seus afluentes, de sua nascente até a sua desembocadura no rio São Francisco;
  • No rio do Sono, da Cachoeira das Almas divisa de municípios de João Pinheiro e Buritizeiro até sua foz no rio Paracatu.

Mesmo nos locais em que a pesca é permitida, os pescadores devem ficar atentos às normas impostas pelas portarias. Portaria IEF n° 156 e Portaria IEF n° 154.

Durante a Piracema não é permitido ao pescador a captura de espécies nativas como: Dourado, Piau, Piapara, Curimba, Mandi, dentre outras. Peixes não nativos estão permitidos como: Tucunaré, Tilápias, Piranha, Bagre-africano, Carpa (todas as espécies), Tambaqui, Tambacu, dentre outras.

Publicidade
Pop Pet Center em João Pinheiro

O limite máximo de captura por pessoa é de 3 (três) quilos de pescado mais um exemplar, mediante a utilização exclusiva de linha de mão e anzol simples, vara ou caniço simples, molinete ou carretilha, chumbada e encastol, iscas naturais e artificiais, com respeito aos locais onde haja proibição. Redes e tarrafas estão proibidas.

O pescador que for encontrado com espécies nativas, realizando ato de pesca em local proibido ou utilizando aparelho não permitido, incorrerá em multa e crime ambiental, com pena prevista de detenção de um ano a três anos ou multa, ou ambas as penas cumulativamente, bem como perda de todo o material, da embarcação e do pescado.

Publicidade
Raimundo Contabilidade em João Pinheiro

Comentários


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


Publicidade
1 Comentário
Mais votados
Mais recente Mais antigos
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Boina preta
22 dias atrás

Parabéns pela matéria. Jp. Foi bem explicada todos que Lêem com atenção vão compreender direitinho. 🤝🏿

mais artigos