Professores da rede estadual protestam no Centro de João Pinheiro; 11 escolas do município aderiram a greve

Reivindicação da classe pelo pagamento do piso salarial será discutida em audiência no TJMG nesta sexta-feira

Na manhã do último sábado, 12 de março, professoras e professores pinheirenses se reuniram no Centro da cidade para protestar contra o Governo Romeu Zema. A classe da educação estadual está de greve desde o dia 10 de março, reivindicando o pagamento do piso salarial. Em João Pinheiro, 11 escolas aderiram ao movimento, dentre elas, 3 apenas parcialmente.

O JP Agora entrevistou as professoras Adriana Castro e Marlei Leles, que nos contou detalhes sobre o assunto. Adriana explicou que o Governo do Estado de Minas Gerais não corrige o salário dos professores há 8 anos, o que prejudica ainda mais a remuneração da classe por conta da inflação. Além disso, o piso nacional da categoria não é respeitado e os professores estaduais recebem nem a metade do valor, enquanto que outros estados brasileiros pagam acima do mínimo nacional, segundo destacou Adriana.

“Existe o piso nacional que determina o valor a ser pago por todos os estados e municípios, mas o Estado de Minas Gerais não paga esse piso. Existem alguns estados, inclusive, que estão pagando muito acima do piso. Além disso, houve um aumento no piso de 33,6% que foi concedido pelo Governo Federal. Então, o Governo Federal deu a garantia para os estados que, caso eles não conseguissem cumprir com os aumentos, desde que a impossibilidade fosse provada, a própria União faria a recomposição” explicou a professora.

As reclamações da classe da educação não param por aí. A greve ainda engloba a questão do Fundeb, que também recebeu aumento para possibilitar que o estado cumpra com o compromisso determinado pelo Governo Federal. Assim, o movimento acontece em todo o estado e, em João Pinheiro, apenas a Escola Estadual Capitão Speridião não aderiu, nem mesmo parcialmente. Todas as demais escolas estaduais do município estão em greve, ainda que de forma parcial.

Marlei Leles destacou que o Governo se reuniu com as lideranças sindicais no dia 14 de março, mas as partes não conseguiram chegar a um acordo. Segundo a professora, do que depender dos grevistas, o movimento vai continuar até que uma solução seja encontrada. Marlei contou, ainda, como foi o protesto em João Pinheiro.

“Não vamos ceder. Queremos o que é nosso por direito, sabemos que o governo têm como pagar, pois o estado possui recursos para isso. A movimentação teve um saldo positivo. Tivemos a participação de muitos colegas, não só professores, como também de alguns colegas ASBs que infelizmente não recebem nem um salário mínimo quando os descontos em folha são feitos. Poderíamos ter feito um movimento gigantesco se todos tivessem aderido ao manifesto, visto que quando os direitos são conquistados, TODOS são beneficiados. Venho aqui pedir aos colegas da categoria que venham unir forças a nós. Pedimos também apoio e compreensão aos nossos alunos e seus familiares” pontuou Marlei.

Nova audiência foi designada para a próxima sexta-feira

A pedido do Sind-UTE MG, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) agendou audiência de conciliação com o Estado na ação da greve de 2022 que tramita sob o nº 1.0000.22.047262-5/000.

A audiência de conciliação aconteceu na manhã desta segunda-feira, dia 14/3/2022. Participaram representando o Sind-UTE/MG a coordenadora-geral, professora Denise de Paula Romano, e Marilda Abreu, da direção estadual do Sind-UTE/MG e executiva da CNTE. Representando o governo do Estado Geniana Guimarães, secretária adjunta de Educação, Artur Pereira de Matos e Renata Couto, procuradores do Estado, e Helga Gonçalves pela Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag). A audiência foi presidida pelo Desembargador Dr. Newton Teixeira Carvalho.

Na avaliação da direção do Sind-UTE/MG, a reunião foi positiva para o movimento. Isso porque, a partir desta audiência, o Tribunal de Justiça abriu o processo de mediação e negociação, o que o governo do Estado se recusava a fazer até então.

Durante a audiência, o Desembargador Dr. Newton questionou o governo do Estado por não apresentar nenhuma proposta para o cumprimento da legislação em vigor no estado sobre o Piso Salarial. Também constatou a indisposição do Estado em apresentar propostas sobre o pagamento do Piso. O Sindicato relatou todas as tentativas de negociação da categoria desde 2019. Foram 19 reuniões somente com a Seplag, além de 39 documentos de cobrança sobre o pagamento do Piso. Também relatou a defasagem salarial que a categoria sofre desde 2017, além dos riscos com a eventual aprovação do Regime de Recuperação Fiscal, que poderá impor 14 anos de congelamento salarial.

O Sindicato também apresentou a existência de disponibilidade financeira por parte do Estado diante do aumento de recursos do Fundeb, e recursos do MDE (Manutenção e Desenvolvimento do Ensino).

Uma nova reunião foi agendada para a próxima quinta-feira, dia 17 de março/2022, onde haverá continuidade das negociações. Diante da ausência de propostas por parte do Estado, o Desembargador Dr. Newton solicitou ao Sindicato a apresentação de propostas para o cumprimento do Piso.

O Sind-UTE/MG também solicitou a reconsideração da decisão liminar pela suspensão da greve, tendo em vista o próprio processo de negociação iniciado. Este pedido de reconsideração só pode ser feito pelo Desembargador relator que deferiu a liminar, Dr. Raimundo Messias. Sobre este pedido, o Sindicato aguarda a avaliação do Desembargador.

13 COMENTÁRIOS


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


13 Comentários
Mais votados
Mais recente Mais antigos
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
JACARE BANGUELA
1 mês atrás

NAO VI UM PROFESSOR PROTESTAR PRA VOLTAR AS AULAS NA PANDEMIA,ME PARECE QUE A EDUCACAO E O ATRASO QUE OS ALUNOS ESTAO E O MENOS IMPORTANTE NO MOMENTO!
PROFESSORES FINGE QUE DAO AULA E OS ALUNOS FINGE QUE APRENDE TA AI O RANKING DAS ESCOLAS PRA PROVAR!!
O ALUNO NAO PODE SER REPROVADO PRA MAQUEAR OS NUMEROS E CHEGA NO ENSINO MEDIO UM ANALFABETO FUNCIONAL !!
QUEREM DIREITOS MAIS ESQUECEM DOS DEVERES

Andreia
1 mês atrás
Resposta para  JACARE BANGUELA

Caro amigo ou amiga. A pandemia não foi culpa dos professores, todos trabalharam na pandemia. E ainda , todo trabalhador tem direito a salário digno, se nao ta feliz com ensino público coloque os seus em escola particular. Boa tarde.

popular
1 mês atrás
Resposta para  Andreia

trabalhou nada ficou so atoa
so fingindo, todo ano a mesma historia povo so quer o vem a nos

Jorge
1 mês atrás
Resposta para  Andreia

Trabalhou nada deveria era ter o mínimo de vergonha na cara e ir trabalhar quando tava atoa tava bom né, foi so voltar a trabalhar q arrumou motivo p dar nol

Norma
1 mês atrás

Zema não tem palavra. Mente mais que o Pimentel que foi ruim. Zema só engana.

João
1 mês atrás

Zema está com três anos no governo e tem cinco anos que não dá aumento, não entendi, o pilantrel não pagava nem 13° salário , tem pagar o piso e pronto

JACARE BANGUELA
1 mês atrás
  1. SERVIDOR PUBLICO E O CANCER DO SISTEMA

DEVERIA TER EDITAL DE 4 EM 4 ANOS PRA TODOS ELES PRA RENOVAR E COLOCAR GENTE PREPARADA E CAPACITADA PQ TEM PROFESSOR AI QUE PAROU NO TEMPO ,NAO SE ESPECIALIZA E SO SABE FAZER BAGUNÇA

André
1 mês atrás

Esse zema sem dúvidas é pior governador que já se teve, não negocia com classe nenhuma. Dá uma de bom mas é só pro interesse dele. Servidores públicos estão jogados às traças… FORA ZEMA

Marlon
1 mês atrás

Zema é um golpista. Nenhum servidor público vota nele. Exceto os puxa saco…

Jorge
1 mês atrás

2 anos parados de perna p ar recebendo salario as custas de nossos impostos, e nos lutando na pandemia, p não perder emprego p não fechar ai quando volta a trabalhar faz greve e pede aumento, e tem gente q fala que o problema do Brasil e só os políticos

A verdade
1 mês atrás

Qual a finalidade do protesto na cidade? Será mais efetivo em BH na cidade administrativa

Isaac
1 mês atrás

A maioria dos professores e seus familiares votou no Zema e no Bozo e agora estão nessa situação.

Andressa
1 mês atrás
Resposta para  Isaac

O que que bolsonaro tem a ver com salários de professores estaduais. Acho que vc deve voltar pra escola. Quanto ao zema, TODOS OS SERVIDORES FORAM ENGANADOS.

Artigos relacionados

Últimas Notícias