Professores de João Pinheiro vão ficar sem receber o rateio do FUNDEB este ano; classe está indignada com o prefeito

Profissionais da educação da cidade de João Pinheiro não deverão passar o final de ano satisfeitos com a administração municipal Isso porque as sobras do Fundo Nacional da Educação, o FUNDEB, não serão repassados a eles, como vem sendo feito em diversas cidades vizinhas. Segundo o prefeito Edmar Xavier, não há recursos em caixa para serem repassados aos servidores da educação.

Indignados, os profissionais da categoria participaram da reunião da Câmara Municipal e pediram por explicações, já que várias cidades irão repassar as sobras do FUNDEB para os servidores da educação.

Entre elas estão: Patos de Minas, Paracatu, Brasilândia de Minas, Buritis, Unaí, entre outras. O JP Agora apurou, inclusive, que João Pinheiro é o único município que ainda não aderiu ao movimento.

De acordo com o chefe do executivo, não há sobras a serem divididas entre os professores. Contudo, a declaração causou muita indignação e representantes da classe participaram da reunião ordinária da Câmara Municipal pedindo por ajuda.

De acordo com o Vereador Mário Luiz, os motivos alegados pelo prefeito para não pagar o repasse do FUNDEB não foram plausíveis, mas não há maneiras de obrigá-lo a pagar.

“O que pode ser feito é um requerimento para que no mais tardar em fevereiro ele possa enviar os papéis para a gente saber o real motivo dele não ter repassado o dinheiro aos professores” disse ele.

Representantes do Sindicato dos Servidores Municipais também participaram de uma reunião com o prefeito e também foram à reunião da câmara. Eles reivindicam a revisão salarial dos professores que já soma 35%. Também é cobrado a revisão para todos os servidores, a perda está em torno de 20%. Segundo Hélmio Melo, já são três anos sem reajuste.

Repasse das sobras é obrigatório por lei

Foi sancionada ontem, e publicada no Diário Oficial da União de hoje, a Lei 14.276, que altera prazos de regulamentação da Emenda Constitucional nº 108 (FUNDEB), entre outras questões, a exemplo da que prevê o rateio, entre os profissionais da educação, das sobras da subvinculação mínima de 70% do Fundo da Educação Básica. Diz o novo § 2º do art. 26 da lei de regulamentação do FUNDEB:

§ 2º Os recursos oriundos do Fundeb, para atingir o mínimo de 70% (setenta por cento) dos recursos anuais totais dos Fundos destinados ao pagamento, em cada rede de ensino, da remuneração dos profissionais da educação básica em efetivo exercício, poderão ser aplicados para reajuste salarial sob a forma de bonificação, abono, aumento de salário, atualização ou correção salarial.” (NR)

Alguns gestores tem questionado o rateio do FUNDEB por entender que contraria o art. 8º, I da LC 173/2020. Porém, mesmo antes da sanção da Lei 14.276, vários Tribunas de Contas dos Estados e de Municípios já haviam manifestado concordância com o rateio, uma vez que a subvinculação do FUNDEB é disposição constitucional.

Agora, com a nova Lei, não restam mais empecilhos para efetivar o rateio.

Outra interpretação polêmica refere-se à vigência da nova lei e seus efeitos concretos. Algumas entidades de gestores têm defendido que o novo § 2º do art. 26 (acima transcrito) retroagiria à data de início da vigência do FUNDEB permanente (1º de abril de 2021) ou mesmo até 01.01.2021. Com isso, poderiam acrescentar aos 70% da subvinculação (com efeitos retroativos) todos os profissionais que não são da educação, mas que foram admitidos INADVERTIDAMENTE na rubrica destinada à valorização dos profissionais da educação.

Sobre a vigência da Lei 14.276, a CNTE entende o seguinte: i) o art. 2º tornou a norma vigente a partir de 27.12.2021, com uma única referência a efeitos retroativos, disposta no art. 53. Nenhum outro dispositivo conta com autorização parlamentar para aplicação pretérita; e ii) a Lei de Introdução ao Código Civil (Decreto-Lei 4657/1942), em seu art. 6º, resguarda os atos jurídicos perfeitos da lei anterior.

Quanto aos profissionais detentores do direito ao rateio – e para evitar contabilidade criativa com os recursos do FUNDEB já executados e auditados pelos órgãos de controle e pelos Conselhos de Acompanhamento e Controle Social –, a CNTE defende a destinação proporcional dos recursos entre os profissionais da educação reconhecidos pelo art. 61 da LDB (redação originária da Lei 14.113) até 26.12.2021, podendo, a partir desta data, serem contabilizados os demais profissionais que até então não integravam a subvinculação. Esse mecanismo abrange também psicólogos e assistentes sociais, que até então integravam a subvinculação do FUNDEB e que agora estão na rubrica dos 30% do Fundo.

Cumpre reiterar que a CNTE ingressará nos próximos dias com ação direta de inconstitucionalidade contra a Lei 14.276, sobretudo em relação a extensão dos profissionais abarcados na subvinculação de 70% do FUNDEB. A entidade entende que a Lei 14.276, assim como a anterior (14.113), extrapolou os limites da EC 108, que destinou parte dos recursos do Fundo exclusivamente para a valorização dos profissionais da educação. O repasse de recursos do FUNDEB para entidades do sistema S também contraria norma constitucional (art. 213, CF) e deverá ser questionada pela CNTE.

Por ora, os sindicatos da educação devem lutar pela correta aplicação dos recursos do FUNDEB, na forma de rateio, impedindo que outros prejuízos sejam impostos à categoria dos trabalhadores em educação.

4 COMENTÁRIOS


Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


4 Comentários
Mais votados
Mais recente Mais antigos
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Professor indignado
4 meses atrás

Acorda João Pinheiro! Se você tivesse o direito a receber e alguém não te pagasse, falando que simplesmente gastou o dinheiro,você ficaria quieto,conformado? Ou buscava seus direitos!!!

#SÓ OBSERVANDO
4 meses atrás

Pensei q João Pinheiro estava tudo as mil maravilhas,porque vc não vê mais nas redes socias pessoas denunciando sobre o q esta acontecendo na administração municipal. É só lembrar nas administrações passadas como era denunciadas as coisas q aconteciam em nossa João Pinheiro. Agora o maior denunciante das irregularidades está na Administração então tá tudo certo,foi só fazer parte da máquina pública e agora tá caladinho. #SÓOBSERVANDO.

Justiça
4 meses atrás

Uma classe que precisa ser avaliada. Existe uma militância política nas escolas, que além de desinformar, ainda fazem apologia as drogas. Aos que realmente se preocupam com a educação, que Deus abençoe e prospere eles. Os militantes políticos travestidos de professores que se ferrem!

Capitão do exército
4 meses atrás

O professor que não estiver satisfeito é só parar de lecionar, simples! Aposto que no outro dia a vaga está preenchida, várias pessoas formadas querendo trabalho.

Artigos relacionados

Últimas Notícias