Suspeita de jogar recém-nascido em córrego é presa pela PRF tentando fugir para São Paulo

Ônibus com a mulher de 23 anos foi parado já em Bragança Paulista (SP); ela confessou o crime e foi levada para a Delegacia de Três Pontas

A mulher de 23 anos que é suspeita de ter jogado o filho recém-nascido em um córrego de Três Pontas, no Sul de Minas, foi presa pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) na tarde desta segunda-feira (4). Ela foi localizada enquanto tentava fugir para São Paulo (SP), em um ônibus.

De acordo com a corporação, a Polícia Civil (PC) acionou a PRF e alertou sobre a possível fuga da mulher em um ônibus que seguia para a capital paulista. Com a informação, foi iniciado o rastreamento e o coletivo abordado já na rodovia Fernão Dias, no município de Bragança Paulista (SP).

A suspeita foi localizada dentro do veículo e confessou o crime, sendo detida e levada para a delegacia na cidade mineira. Nas redes sociais, circulam conversas da suspeita com uma amiga em que ela diz que estava com medo de ser morta na cadeia por ter jogado o filho no córrego.

No diálogo, ela diz que a família não sabia da gravidez e que o menino nasceu na casa dela e não estava respirando, que ele estava “todo roxo”.

Por nota, a Polícia Civil informou que apura as circunstâncias do encontro do corpo do bebê. “A PC informa que a mãe e suspeita do crime está sendo ouvida pelo delegado neste momento. Outras informações serão repassadas à imprensa após a finalização do procedimento investigativo”, finaliza a instituição.

O crime

O corpo de um bebê recém-nascido foi encontrado dentro de um córrego da cidade no domingo (3). A criança foi achada após um pedestre ligar para um sargento da Polícia Militar afirmando ter visto o menino no córrego.

O sargento Edward estava de folga, mas decidiu ir até o local para ver se o fato procedia. “Eu estava na minha casa quando recebi uma ligação anônima que um feto estava descendo pelo córrego. Eu de imediato me levantei e vim para o local. Eu vi o feto, liguei no quartel e acionei a viatura, porém a correnteza estava muito forte e o feto descia em alta velocidade. Eu pulei no córrego e segurei o feto com um galho. Com a chegada da viatura, conseguimos tirar ele de dentro do local”, contou o militar em vídeo para a TV Três Pontas.

A Polícia Civil abriu inquérito para investigar o caso. “As primeiras informações dão conta que a criança nasceu com vida, com um quilo e 700 gramas e teve o cordão umbilical cortado de maneira muito arcaica, o que indica que foi feito possivelmente em casa por pessoas não habilitadas”, explicou o delegado Gustavo Gomes.

O policial trabalha com a possibilidade de ter ocorrido um infanticídio. “O crime em tese que pode ter acontecido é infanticidio, em que a mãe durante o parto, ou logo após, sob influência do estado puerperal mata a criança. Esse estado é uma alteração psíquica que a mãe tem durante ou logo após o parto que aumenta sua sensibilidade, é uma situação hormonal bem alterada”, destacou.

FonteO Tempo

Termo

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do JP Agora. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O JP Agora poderá remover, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos ou que estejam fora do tema da matéria comentada. É livre a manifestação do pensamento, mas deve ter responsabilidade!


0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários

Artigos relacionados

Últimas Notícias